América do Sul

FRANCIS MALLMANN E O URUGUAI

A aventura por trás do restaurante do Francis Malmann

Francis Malmamn é um chef argentino, que ainda pequeno se mudou de Buenos Aires para Patagônia e se especializou em culinária argentina da região, se apropriando de técnicas próprias de cozimento através do fogo.

Apesar de hoje ter restaurantes espalhados pela Argentina, Uruguay e até na Florida, eu assim como muita gente, só fui conhecê-lo depois do Netflix.

 

E é aí que começa a minha aventura.

Depois de devorar a primeira temporada de Chef’s Table, encantada pela fotografia e pelas técnicas empregadas pelo chef, ignorei meu vegetarianismo, e de curiosidade aguçada, comprei uma passagem para o Uruguai. O destino? Garzón, uma cidadezinha no meio do nada.

upload_-1(78)

Como chegar

Garzón fica exatamente no meio do nada. Saindo de Punta del Este, o melhor caminho é pela ruta 9. Digo o melhor caminho, porque quando fui, me perdi diversas vezes, tanto na ida quanto na volta. Boa parte da estrada é de terra e não há nenhuma sinalização.

bienvenido

Assim que avistar a entrada da cidade (acima), vire à direita caso queira ir para o Garzon. Se quiser visitar umas das Bodegas da região, vire à esquerda.

Spotify: Escute a nossa playlist exclusiva para embalar a sua viagem!

A cidade

A cidade é completamente… fantasma. Chegando lá, avistei umas quatro ruas, ninguém nas ruas, o restaurante e nada mais. A fama do vilarejo veio na última década com a abertura da Bodega e a fama de Francis e abertura de seu restaurante.

O restaurante

O restaurante, à la carte, funciona da seguinte forma: você escolher os pratos do menu e ter uma refeição por lá ou passar a noite e por uma tarifa de US$400 (pessoa) você tem direito a um quarto, café da manhã, almoço, chá da tarde e jantar (com itens do menu), além de bebidas a vontade.

bar
Bar na área externa

Parece interessante no começo, mas uma coisa que me frustou um pouco é que os menus não mudam. Ou seja, o café da manhã e o chá da tarde são os mesmos, assim como o do almoço e do jantar.

A comida, claro vale a pena e apesar de ser um restaurante especializado em carnes, no meio do Uruguay, consegui boas opções vegetarianas.

massa

carne

entradasentradasupload_-1(74).jpg

ImageResizer.net - xvbcebpy38qhuph.jpg

Para quem estiver interessado, além do Garzon, Francis também comanda os restaurantes: Patagonia Sur  em Buenos Aires, Francis Mallmann 1884 e o Siete Fuegos, ambos em Mendoza.

O hotel

O restaurante também abriga um pequeno hotel. Certeza que Francis teve essa ideia devido à necessidade das pessoas que iam jantar por lá e não conseguiam sair depois de uns vinhos e do escuro/lama das estradas.

upload_-1(77)
O hotel funciona nos fundos do restaurante

E confesso que a ideia é muito comoda, uma vez que você paga um valor fixo por quatro refeições – almoço, lanche da tarde, jantar e café da manhã – e você come até morrer, tira um cochilo e já está por ali para comer de novo.

cama garzon 2.jpg

O quarto é super confortável, mas não aquecimento suficiente e olhe, essa região é super fria em grande parte do ano. Fui em março e quase congelei de madrugada, apesar de terem nos provido muitas mantas.

Dica: Para reservar, o site diz que você deve enviar um email. Eu mandei quatro e nunca me responderam e advinha? Cheguei lá e não estava em nenhuma lista, nem do hotel e nem do restaurante, mas nos colocaram sem problemas – não estava nem um pouco cheio, apesar de ser um feriado. Logo, se você quiser muito ir, mas nunca responderem seus emails, sugiro que você vá assim mesmo e tente a sorte.

Recomendo?

Sim, se você estiver hospedado na região e tiver um tempo livre. Não sei se recomendaria dormir por lá, a menos que você se empolgue nos vinhos. E mais imperdível que o Garzon se você estiver em Jose Ignacio é o Parador La Huella, falei sobre aqui. Esse sim vale MUITO a pena!

Custo: $$$ (caro)

Paulista; Inquieta e curiosa, ama uma boa história. E olha que não faltam histórias para Menina Thais, que já fez intercâmbio, morou em um motorhome, teve um sabático e foi nômade pelo mundo.⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀