PASSEIO POR UM DIA – VILA MARIANA

A Vila Mariana é um bairro enorme, e muito antigo. Super tradicional, sofreu muitas transformações na última década, mas nunca deixou de ser uma região versátil e diversificada.

Abrigando um dos maiores hospitais públicos da cidade, aliado à Escola Paulista de Medicina, e sendo um eixo importante ao restante da Zona Sul, o bairro apresenta ainda grande ocupação residencial (não tantas casas como antigamente), escritórios, clínicas e consultórios médicos e escolas.

Mas há cantinhos especiais espalhados por este bairrão, e espero poder te mostrar como aproveitar um dia por aqui.

Acesse facilmente a região desembarcando na Estação Santa Cruz (Linha 1 – Azul). Com a estética das primeiras estações de metrô inauguradas na cidade, a estação é pequena e passa por grandes obras no momento (fará conexão com a Linha 5 – Lilás, ainda em construção) e a saída é no interior do Shopping Metrô Santa Cruz.

Caminhe até a Casa Modernista e visite o enorme jardim e a primeira construção moderna da cidade. Para apaixonados por arquitetura, ou apenas curiosos, é super interessante percorrer a casa e entender a conexão entre cômodos, a forma de ocupa-los e a ligação dos ambientes internos com os externos.

Para a hora do almoço, o Lagoa Tropical é a minha sugestão. Um dos restaurantes vegetarianos mais antigos da cidade, o esquema funciona com buffet a preço fixo, incluindo sobremesa e sucos, à vontade. Mas não rejeite a ideia apenas por ser vegetariano, por favor! Aqui o cardápio e os sabores encantam: as receitas são diversificadas e interessantes, além de oferecer muitas opções para saladas, acompanhamentos e beliscos. Nunca comi receitas com PTS (a tal Proteína de Soja) tão gostosas quanto às daqui (o bolo de carne e o quibe com abóbora são divinos, úmidos e saborosos na medida certa!). Mesmo se você curtir muito uma carne, se acomode em uma mesa na varanda e dê uma chance a este lugar tão querido pelos moradores locais. Dica: durante a semana o horário de almoço é concorrido por quem trabalha por lá (mas ninguém fica mais de uma hora), mas aos domingos há espera, sempre. Tenha paciência e aproveite os petiscos dispostos na porta enquanto aguarda ser chamado.

Se apreciar bons petiscos, minha dica é conhecer o Veloso Bar. Se você gosta de coxinha, este é o paraíso! Considerada a melhor coxinha da cidade, pode ser pedida em porção de 6 unidades, ou individualmente, e acompanha um delicioso molinho de pimenta. Os drinks também são variados e muito apreciados. Abre para almoços apenas aos sábados e domingos, tendo o happy hour como foco nos outros dias.

Para curtir o dia, vou indicar a Cinemateca Brasileira. Dedicada ao estudo, defesa e divulgação do desenvolvimento da arte cinematográfica brasileira, este espaço promove atividades culturais, acadêmicas e científicas com o intuito de permitir a contemplação da filmografia brasileira e internacional. Sempre há algo interessante acontecendo por lá, desde pequenas exposições, oficinas, mostras de cinemas e debates. Muita arte, cultura e educação.

No mundo do delivery, comer uma pizza fora de casa pode custar caro, mas no Bráz Quintal isto nem deve doer na consciência! Umas das melhores pizzas da região, e de São Paulo, a casa faz parte do Grupo Bráz, mas nesta unidade o ambiente é todo mais que especial. A casa ocupada tem estilo de fazenda, com pé direiro altíssimo, mesas largas, iluminação charmosa e um quintal estonteante, que por se destacar tanto está até no nome. No frio pode ser desconfortável sentar-se na área externa, mas é tão encantador, que eu faria este esforço.

Recentemente a página online da Revista Veja São Paulo listou “25 motivos para amar o bairro de Vila Mariana”. Passe lá para conferir outras curiosidades e dicas.

Mais informações:

Casa Modernista

Rua Santa Cruz, 325.

Entrada gratuita.

Terça a Domingo, das 9h às 17h.

Lagoa Tropical

Rua Borges Lagoa, 406.

Segunda à Sexta, das 11h30 às 15h.

Domingo, das 11h30 às 16h.

Cinemateca Brasileira

Aberta todos os dias. Confira na página online os diferentes horários para cada setor.

Veloso Bar

Rua Conceição Veloso, 54.

Terça a Sexta, das 17h30 às 24h30.

Sábado, das 12h30 às 24h30.

Domingo, das 16h às 22h30.

Bráz Quintal

Rua Gandavo, 447

Domingo a Quarta, das 18h30 às 24h.

Quinta, das 18h30 às 24h30.

Sexta e Sábado, das 18h30 às 1h30.

TOP 3: BRECHÓS EM SÃO PAULO

Comprar em brechó é uma economia não só para o bolso, mas também para o planeta. Em tempos de reaproveitamento e moda sustentável, passar uma tarde com as amigas no brechó além de ser uma delícia, é uma ótima estratégia para poupar o bolso em tempos de crise.

São Paulo com certeza é o melhor lugar para isso!

Líder na quantidade/qualidade de brechós no país, se você está de passagem ou mora por aqui e está com um tempinho livre, chegou a sua chance! Sou super adepta e listo abaixo os meus favoritos nesse TOP 3:

  • Capricho à toa: As definições de brechó foram (definitivamente) atualizadas! A ideia aqui é o brechopping, uma casa enorme na Vila Madalena com três andares, vários provadores, artigos infantis, femininos e masculinos e até uma cafeteria. Desde roupas usadas com preços ótimos (tipo 5, 10 reais naquela brusinha), até produtos de grife, passando por muita coisa nova (ainda com etiqueta), tudo devidamente organizado por tamanho, cor e setor. Se puder, vá durante a semana, porque mesmo o espaço sendo grande, costuma lotar e aí dá aquele desânimo de entrar no provador para experimentar tudo (o número de peças que se pode levar ao provador é limitado a dez).
  • B. Luxo: Esse é daqueles para você que está em busca de antiguidades e que pode ostentar um pouquinho mais. Localizado na Rua Augusta, o espaço é lindo, super bem decorado e é o melhor lugar para encontrar peças de alta costura vintage por um preço mais acessível (longe de ser barato).

    Dica extra: Ainda na Rua Augusta, a Galeria Ouro Fino é antro de  alguns bons brechós no estilo vintage-chic. Se estiver com a tarde livre, aproveite para dar uma garimpada por lá também.

  • Brechó Faria Lima: Menor e menos conhecido que os anteriores, fica dentro de uma galeria na Avenida Faria Lima, em frente ao Shopping Iguatemi. Conheci porque é bem próximo da minha casa e de tanto passar na frente, um dia tomei coragem e entrei. Apesar de pequeno, a curadoria é ótima e o Instagram deles está sempre atualizado com as novas aquisições. O estilo aqui é mais contemporâneo e com preços bem amigáveis. É possível fazer bons achados de marcas tanto nacionais quanto importadas. Na minha última visita, por exemplo, comprei um sapato da Saks por R$30, praticamente novo.

Todos os meus favoritos aceitam dinheiro e cartões de débito e crédito.

Dicas para garimpar:

Vá com tempo:

Não adianta ir com pressa, tire uma tarde, coloque uma roupa confortável e vá. Indo sem tempo, você acabará frustada, achando que não tem nada que preste no seu tamanho.

Leve uma lista

Como em qualquer outra loja, as tentações são grandes e se você sair pegando tudo que serve/gosta, a chance do tiro sair pela culatra e a economia ir por água abaixo, é grande. Anote tudo o que pretende comprar com detalhes (ex. calça preta cintura alta skinny) e se não achar o que está na lista, não compre.

Prove

Como as roupas são de diferentes procedências (marcas, países e etc), as modelagens também são diferentes. Se encontrou o que estava procurando mas acha que não serve, dê uma chance, prove! Sempre podemos nos surpreender (tanto positivamente quanto negativamente).

Invista em acessórios

Para muitas pessoas, comprar roupa em brechó ainda é muito complicado. Minha dica se você não sabe por onde começar é investindo em acessórios. Eles são fáceis de provar, levantam qualquer produção e, em geral, são os itens mais baratos.

Dica bônus: Brechó Online

Se você não mora em São Paulo ou ainda é iniciante na arte de garimpar em brechó, uma dica é começar com o brechó online. Dentre os mais famosos, comprar no Enjoei dá aquela sensação de loja online que é ótima para quem está começando. E o melhor: se ao receber você perceber que a peça não era exatamente aquilo tudo que você esperava, você consegue devolver em até 7 dias e ser 100% reembolsado.

Para conhecer a minha lojinha do Enjoei, clique aqui.

 

 

TOP 3 – PARA PASSEAR NA AVENIDA PAULISTA

A Avenida Paulista, muito mencionada sempre quando se fala da cidade de São Paulo, pode parecer muito grande e não ser bem aproveitada por quem deseja passear por lá.

Com a mistura de muito trabalho, lazer e cultura, pode-se até dizer que é um dos pontos turísticos mais paulistanos exatamente por integrar estes três elementos – que são marcos da identidade da capital – de forma tão natural e harmônica.

Em qualquer momento do dia, a Avenida, que conecta diversas regiões, estará repleta de movimento, nas calçadas, nas ruas, na ciclovia e nas lojas. A dica é curtir o agito, diurno e noturno, percorrendo à pé, admirando edifícios, parques, museus e galerias.

Apaixonada por este trecho da cidade (apesar de muitos considerarem clichê), admiro a união entre história, arquitetura, arte e espaço público que se faz tão presente no local.

Sempre com atrações especiais e novidades para serem exploradas, é um desafio definir apenas alguns pontos, mas para otimizar (e diferenciar) seu passeio, listo TRÊS DICAS de lugares que merecem estar na sua programação quando vier conhecer a Avenida Paulista:

MASP – Museu de Arte de São Paulo

Para muitos, símbolo mais marcante da Avenida por sua imponência, beleza e charme. Sua história e arquitetura se mesclam e propõem ao visitante uma experiência completa: desbravar e ocupar o espaço público, e entreter e educar pela arte exposta.

Com um acervo próprio e exposições temporárias, a visita é especial não só pelos diversos andares, mas também pela vista privilegiada e livraria.

Antes ou depois, reserve um tempinho para curtir o vão livre do Masp, um dos espaços mais democráticos da cidade, capaz de nos fazer sentir grandiosos e parte viva da cidade.

Café, restaurante e loja também podem completar seu passeio.

LIVRARIA CULTURA – Conjunto Nacional

Dentro de um edifício multifuncional, a livraria ocupa grande espaço da galeria térrea, e é um ambiente muito agradável e aconchegante. A estrutura e decoração são incríveis e nos convidam à percorrer os pavimentos e corredores em busca de muitos livros, podendo sentar em qualquer cantinho e iniciar a leitura. Fique à vontade, conheça o café e aproveita algumas horinhas gostosas por lá.

PARQUE TRIANON

Um respiro no meio da “selva de pedra”, o terreno, de quase 50 mil m² é ocupado por uma vegetação densa de Mata Atlântica e repleta de espécies exóticas e animais silvestres. Curioso saber que um lugar assim existe no meio de um espaço tão urbano, não é?

Aproveite toda esta natureza inesperada para fazer uma pausa tranquila, respirar um ar puro e relaxar um pouquinho antes de seguir seu caminho.

 

Mais informações:

MASP – MUSEU DE ARTE DE SÃO PAULO

Avenida Paulista, 1578

Terça-feira – Domingo 10h às 18h (Bilheteria aberta até 17h30)

Quinta-feira 10h às 20hs (Bilheteria aberta até 19h30)

Ingressos: R$ 30,00 (Gratuito às terças-feiras).

LIVRARIA CULTURA

Avenida Paulista, 2073

Segunda-feira – Sábado 9h às 22h / Domingo e Feriado 11h às 20h

PARQUE TRIANON

Avenida Paulista, altura nº 1500

Aberto todos os dias 6h30 às 17h30

Está visitando a Avenida Paulista num domingo? Tem post sobre a Paulista Aberta, uma iniciativa da Prefeitura para incentivar o pedestre e humanizar a cidade. Clique aqui e saiba mais.

UM POUCO DA ARTE EM SÃO PAULO

Não sei se você reparou, mas o início do mês de Julho trouxe muita calmaria para a cidade. Pelo o que dizem, a razão são as férias escolares. Se são, ou não, menos carros, e pessoas, circulando no dia-a-dia eu não sei, mas que qualquer passeio fica mais gostoso, isso fica. Que tal aproveitar esta maré calma e fazer alguns programas bem bacanas?

“MODOS DE VER O BRASIL”

Pavilhão OCA, Parque do Ibirapuera

“O visitante vai encontrar um panorama da arte no Brasil. Vai poder entender um pouco mais da história dos próprios brasileiros a partir da arte”, segundo Paulo Herkenhoff, curador da mostra.

A exposição reúne trabalhos de artistas modernos e contemporâneos: 750 obras foram selecionadas num acervo de mais de 15 mil pertencentes ao Instituto Itaú Cultural.

Se você não conhece o edifício, não perca esta chance! Os quatro andares podem ser percorridos e admirados junto às obras. Inaugurado em 1954, em celebração aos 400 anos da cidade de São Paulo, o Pavilhão é mais um grande projeto do arquiteto Oscar Niemeyer, e retrato de seus traços curvos, suaves e harmoniosos.

“Não é uma exposição para iniciados, para entendidos, é uma exposição para curiosos, para aquele que quer entender um pouco mais da produção artística e quer compreender melhor a história da arte realizada no Brasil”, explica Eduardo Saron, diretor do Itaú Cultural.

Avenida Pedro Álvarez Cabral, Portão 3

Em cartaz até 13 de agosto/2017

Terça a Domingo, das 9h às 18h

Entrada Gratuita

 

“O IMPRESSIONISMO E O BRASIL”

MAM – Museu de Arte Moderna, Parque do Ibirapuera

Destacando 70 obras produzidas de 1860 até 1930, a exposição enfatiza o artista Renoir, um dos percursores do impressionismo na França.

Uma linha do tempo apresenta aos visitantes a trajetória desta escola de arte no Brasil e no mundo. Destacam-se o impacto do intercâmbio artístico entre Rio de Janeiro e França e a importância da comercialização de novas tintas e demais materiais, permitindo que o objetivo dos artistas impressionistas fosse melhor alcançado.

Avenida Pedro Álvarez Cabral, Portão 3

Em cartaz até 27 de agosto/2017

Terça a Domingo, das 10h às 18h

Entrada R$ 6,00 / Gratuito aos Sábados

 

“TOULOUSE LAUTREC – EM VERMELHO”

MASP – Museu de Arte de São Paulo

O museu apresenta a mais ampla exposição dedicada ao artista Henri de Toulouse Lautrec, um dos mais importantes na virada do século 19, momento marcante para a arte moderna. Reunindo toda a sua produção, estão presentes obras desde seus primeiros anos, na década de 1880, até sua morte: 75 obras e 50 documentos.

A reunião dos trabalhos dá destaque a uma grande variedade de personagens: burgueses, boêmios, trabalhadores, dançarinas e demais artistas que habitavam Paris e que fizeram parte do vínculo afetivo e artístico de Toulouse Lautrec.

(Dica esperta: No mês de Julho, o museu notificou que estará também aberto às Segundas-feiras).

Avenida Paulista, 1578

Em cartaz até 1º de outubro/2017

Terça, Quarta, Sexta, Sábado e Domingo, das 10h às 18h / Quinta, das 10h às 20h

Entrada R$ 30,00 / Gratuito às Terças-feiras

MORRETES E ANTONINA DE TREM

Pouca gente sabe, mas é de Curitiba, no Paraná, que sai o único trem de luxo em circulação no Brasil.

No último fim de semana, aproveitei minha estada em Curitiba para conhecer Morretes e Antonina no Litoral Paranaense, nesta viagem cheia de história feita de trem.

Quem faz? 

Você pode optar em fazer essa viagem de trem por conta própria ou por agências. Várias empresas oferecem day tours, mas escolhi a Special Paraná porque o pacote me pareceu mais interessante.

Basicamente, inclui: pick up no hotel, passagem de ida de trem, café da manhã no trem e open bar de bebidas durante a ida, almoço típico em Morretes, deslocamento de carro em Morretes e Antonina e retorno de carro para Curitiba no fim do dia.

trem front.jpg

O passeio pode ser feito em trem regular por R$269 ou em trem de luxo, como eu fiz, por R$439 – valores por pessoa em julho/2017.

Se você optar por comprar a passagem individualmente, o site da Serra Verde vende todas as categorias (inclusive a luxo).

Como chegar

Estrada convencional: Se você estiver indo de carro, esse é o caminho mais rápido. Pela BR-277 a viagem dura pouco mais de uma hora.

Estrada da Graciosa: Conhecida como PR-410, seus 28km ligam o litoral a Curitiba pela Serra do Mar. Pelo caminho, seis mirantes (recantos) garantem a parada e fotos lindas. A estrada, apesar de linda (o nome não é por acaso), tem grande trechos de paralelepípedo e mais de 100 curvas, ou seja, não recomendada para dias chuvosos.

Trem Regular: O trem regular é usado na maioria das vezes como transporte de locais entre os municípios e obviamente é mais barato. Se a ideia é conhecer as cidades, independentemente da experiência, esse é o melhor meio de transporte para quem está visitando Curitiba e não quer alugar carro.

Ônibus: Outra opção para quem não está de carro em Curitiba e quer uma viagem mais rápida que a de trem, é ir de ônibus. Da Rodoviária de Curitiba até o litoral quem faz a viagem é a Viação Graciosa.

Trem de luxo: O Great Express Brazil é o primeiro trem de luxo em operação regular no Brasil e faz a viagem de apreciação que dura cerca de quatro horas entre Curitiba e Morretes. Essa foi a opção que eu escolhi para descer a Serra do Mar e conto (abaixo) um pouco mais da experiência.

Great Express Brazil: o trem de luxo

O Great Express Brasil é o único trem de luxo do Brasil. Operado pela Serra Verde Express, circula aos finais de semana numa viagem que dura cerca de quatro horas entre Curitiba e Morretes. A viagem atravessa a Mata Atlântica em trechos totalmente preservados e intocados (a Mata Atlântica é o bioma mais devastado do Brasil). O caminho é feito pela ferrovia Curitiba-Paranaguá, que é extremamente comercial, com trens de carga circulando a todo momento.

interior do trem
Por dentro do trem de luxo

Como funciona 

O trajeto entre Curitiba e Morretes no trem de Luxo acontece aos sábados e domingos às nove da manhã (sim, é preciso madrugar, rs).

O trem conta com dois carros, sendo que cada carro tem bar e toiletes independentes. Durante a viagem, além do guia com preciosas explicações, é servido um café da manhã (pão, geleia, manteiga, croissant com frios, alfajor e bebidas) e durante todo o trajeto é open bar, ou seja, você pode solicitar o bar (água, café, chá, espumante, cerveja, suco, chá gelado, refrigerante) a qualquer momento.

Apesar de ser um trem de luxo e super bem decorado, confesso que achei que os assentos seriam mais confortáveis. Por ser uma viagem longa, todo mundo acaba tirando um cochilo em algum momento. De qualquer forma, a viagem é bem agradável e as paisagens, de tirar o fôlego.

Roteiro

A viagem começa na Rodoferroviária de Curitiba. De lá, a viagem demora cerca de quatro horas. Apesar da distância entre Curitiba e Morretes ser de apenas 70km, o trem atinge a velocidade máxima de 35km/h, fazendo várias paradas para fotografias no caminho. Logo no começo o guia deixa claro se tratar de uma viagem de apreciação, ou seja, coloque os celulares no modo avião (ou no modo trem como eles dizem aqui, rs) e curta a paisagem. Ah, e se você não vive sem 4G, já fique sabendo que não há nenhum sinal no trajeto e mesmo nas cidades de Morretes e Antonina tem pouquíssimo sinal em locais estratégicos.

paisagem caminho
Uma das muitas paisagens pelo caminho da Serra do Mar

Parada no santuário do cadeado: A primeira parada é de cerca de 10 minutos no Santuário do Cadeado, que fica numa área chamada Caminho de Itupeva (na ferrovia Curitiba – Paranaguá), bem no meio da Mata Atlântica. A parada acontece por causa de um mirante, que proporciona lindas fotos no meio da Mata.

Morretes: Apesar de já ser considerada área litorânea, ainda não se vê mar em Morretes, que está a 8m do nível do mar.  No entanto, a cidade de arquitetura tipicamente portuguesa, é famosa pelas suas lojinhas de artesanato, MUITA banana (doce de banana, banana chips, cachaça de banana e as famosas balas de banana) e claro, pelo prato típico: o Barreado. Trata-se de um cozido de carne, que se come com farinha de mandioca e banana e que, claro, tem que experimentar. Da cidadezinha, além de todas as coisas com banana, os guias também encorajam a compra de artesanatos, já que a cidade vive basicamente do turismo. E eu, claro, não perdi a chance de experimentar também o sorvete de banana. Recomendo!

barraquinhas em morretes
Uma das muitas barraquinhas em Morretes
morretes (fim de tarde).jpg
Fim de tarde em Morretes

Antonina: Terceira e última parada, Antonina também tem uma arquitetura portuguesa toda especial e com uma linda vista para o oceano. Aqui, já no nível do mar, se vê o oceano, e por muito tempo também sediou o quarto maior porto do Brasil, já que está situada em uma extensa baía. Hoje todo o serviço fluvial foi transferido para Paranaguá e apesar da cidade não ter tantas opções de compra como em Morretes, é um ótimo cartão postal para fotografias e apreciação do mar.

Importante: As temperaturas em Antonina costumam oscilar entre 35 graus (verão) e 5 graus (inverno), porém o vento reduz ainda mais uns 5 graus a sensação térmica. Ou seja, se visitar no inverno, não esqueça o casaco!

Antonina 2
Antonina e o mar ao fundo
antonina 1.jpg
Arquitetura colonial portuguesa e muita história em Antonina

Retorno: O retorno é feito de van, e a estrada é escolhida de acordo com as condições meteorológicas do dia. Quando fiz, dei a sorte que voltar pela Graciosa, numa viagem de aproximadamente duas horas. Infelizmente, como já estava anoitecendo, só consegui de fato ver a estrada nos primeiros trinta minutos. Se você estiver de carro e viajando no inverno, é recomendável sair do litoral antes das 17h, horário que começa a escurecer.

Leia também: Inverno em Curitiba

 

JULHO E O MÊS MAIS COMPLICADO PARA TIRAR FÉRIAS

Sim, metade do ano já se foi. E amanhã, além de ser o dia que você estava esperando para ler a previsão do mês de Susan Miller, é também (muito provavelmente) o dia que começam as suas férias (ou que costumavam começar, na remota infância).

inverno em bsas 2011
Inverno na capital argentina em 2011: pode não parecer, mas a temperatura no dia dessa foto era de seis graus Celsius

Odeio dar notícia ruim, mas a gente cresce e descobre que julho só é o pior mês para tirar férias. E explico com fatos:

1) É o único mês que o planeta inteiro está de férias – ou seja, é alta temporada em todos os destinos.

2) E o que significa alta temporada? Sim, altos preços.

3) Além dos altos preços, se você como eu não é muito chegado em muvuca, esse também é um péssimo mês para ficar naquele resort family friendly.

4) E as temperaturas? No hemisfério norte, um calor do cão. No hemisfério sul, um frio congelante. Na região central? Temporada de furacões.

Mas se ainda assim essa é a única época do ano que  você consegue uns diazinhos, bora focar na solução, e não no problema. E aqui vão algumas sugestões:

No hemisfério Norte (verão) – Agora pode ser o momento de visitar aquele país super frio que é inviável ir fora do verão. Vale a pena ficar ligado nas passagens: normalmente os valores chegam a dobrar nesta época do ano.

América do Norte: As opções aqui são inúmeras, mas como tudo nos Estados Unidos está caro e/ou lotado nessa época, que tal fazer uma roadtrip pelo Canadá e terminar lá no Alasca? Além de ser uma maneira mais econômica de se locomover (e de dormir, já que sempre há opções de campings pelo caminho).  Chegando no Alasca, milhares de atividade ao ar livre e sol durante praticamente 24h por dia estão à espera.

kodiak Island Alaska ph Michael Deyoung_Travel Alaska Tourism
Paisagem de tirar o fôlego no Alasca – Foto: Michael Deyoung 
disney
Verão na Disney em 2015: Magic Kingdom lotado e um calor sofrível

América Central: Por aqui, é temporada de furacão em praticamente todos os destinos do Mar do Caribe. Ainda que não seja garantido que você presenciará um furacão nessa época, eles são bem prováveis e podem estragar toda a viagem, sem falar que quando não tem furacão, tem chuva na maior parte do tempo. Uma solução nesse caso para quem não abre mão do Caribe, é recorrer a um país que não esteja na rota dos furacões: Barbados, por exemplo. A ilha onde nasceu Rihanna está cheia de praias maravilhosas e por ser somente uma ilha (diferentemente das Bahamas, por exemplo), você consegue percorrê-la toda de carro.

Europa: Que destinos europeus como a Península Ibérica e o Mediterrâneo são hot destinations em julho, não é segredo para ninguém. Mas que tal fugir das super lotações das praias europeias e tentar um destino menos óbvio? Regiões mais ao norte como Groenlândia, Islândia e a Escandinávia se tornam inviáveis de visitar durante grande parte do ano, mas é no verão que ocorre o degelo em boa parte desses países e que as temperaturas ficam mais amenas – ainda que longe do verão que conhecemos, por aqui elas variam entre zero e quinze graus. Os dias são super longos e em algumas regiões o sol dura a noite inteira! Como existem poucos aeroportos que fazem essa rota, minha sugestão é começar pela Escandinávia (Copenhagen tem opções de voo tanto para Islândia quanto para a Groenlândia).

whale-watching-07
Verão: época de baleias nas águas da Groenlândia – Foto: Magnus Elander

Ásia: Um dos destinos mais desejados, viajar para o Sudeste Asiático nessa época pode ser uma furada. Isso porque a Ásia tem as monções mais fortes do planeta, que são ventos sazonais que podem provocar fortes tempestades, alagamentos e etc. Na Tailândia, por exemplo, julho é o pior mês para se visitar. Japão, Coréia do Sul e China também devem ser deixados para estações intermediárias (primavera e outono). Mas como o continente é imenso, algumas regiões são mais tranquilas em junho, como Bali, Cingapura e Malásia.

Hemisfério sul (inverno) – Apesar de ser inverno, a temperatura é “suportável” na maioria dos destinos mais populares.

Brasil: Por aqui, grande parte do país continua quente – basicamente o país inteiro do Rio de Janeiro pra cima. O problema: na costa, que engloba parte do sudeste e o nordeste, chove muito. Muito pelo contrário, o Centro-Oeste é super seco e ainda que seja difícil respirar em algumas partes (tipo, Brasília e seus 15% de umidade relativa), é uma ótima época para visitar Bonito ou o Pantanal. Mas, se você gosta de frio, o sul está cheio de destinos lindos (como a Serra Gaúcha e Catarinense) e dependendo do ano, ainda corre o risco de nevar – embora seja difícil de imaginar neve no Brasil, às vezes acontece (só não vale esperar neve nível Groenlândia). Agora, o imperdível do Brasil em julho, na minha opinião, é o norte. Apesar de ser uma região que chove muito, é em meados de julho a época que chove menos e é considerado “verão” no Pará, por exemplo. Escrevi um post sobre Belém (clique aqui para ler) e acho que todo mundo deveria ir e conhecer, além da capital, outras belezas no Estado como Alter do Chão.

belem
Belém do Pará no Dia dos Namorados de 2016

Dica extra: Sempre que vou para um destino de praia na América Latina, checo o praiomêtro do blog Viaje na Viagem. Normalmente, eles acertam as previsões de chuva!

América do Sul: Saindo de São Paulo e do RJ, vira e mexe aparece promoção de última hora para Buenos Aires, Montevidéu e Santiago. Além de ser uma ótima chance de conhecer essas capitais, você pode aproveitar cidades próximas, como Colonia del Sacramento (no Uruguai) ou visitar uma estação de ski em Valle Nevado (cerca de uma hora de Santiago).  Outra sugestão se você conseguir passagens baratas é visitar o Machu Picchu, no Peru – de maio a setembro é época de seca na região, e na última semana de junho ainda rola a festa Inti Raymi, uma cerimônia Inca/Andina de adoração ao Deus Sol (Inti).

colonia
Colonia del Sacramento: Paz e simpatia no Uruguai

Para acompanhar promoções de último minuto, sempre acompanho os posts do Melhores Destinos e do Viajando Barato Pelo Mundo

África: Essa é a melhor época para fazer um safári! Isso porque ainda que de manhã possa fazer mais frio, as temperaturas são mais suportáveis e o tempo, seco. O destino mais fácil de se chegar, África do Sul (com voos diretos pela South African Airways e pela LATAM) sempre entra em promoção em meados de maio, com datas que normalmente vão do fim de maio até agosto, muito provavelmente porque claramente não é a melhor época do ano para pegar praia. Mas não encane: se tiver a oportunidade de ir nessa época, vá. O país é enorme e com certeza não faltaram atividades (além do safári que já mencionei).

Oceania: É durante o inverno no hemisfério sul que acontece um dos espetáculos mais incríveis da natureza: a aurora austral. Trata-se de uma interação entre a existência de um campo magnético na Terra e o vento solar, e um dos lugares para sua observação é na Nova Zelândia. E se você estiver por lá, aproveite para visitar também uma das muitas estações de ski. 

Red_and_green_auroras NZ (common wikimedia)
Muitas luzes na aurora austral – Foto: Common Wikimedia

Julho está batendo à porta e esse é o melhor período para planejar outra data complicadíssima: o réveillon. A Amanda (do blog Amanda Viaja) fez um vídeo recentemente dando dicas maravilhosas de como se organizar para o fim do ano. Dá uma olhada:

E falando em fim de ano, você já sabe para onde ir em dezembro? Também estou aceitando sugestões! 😉

 

ROTA ROMANTICA E O SUL DO BRASIL

Diferentemente do ano passado, esse ano passei meu dia dos namorados no destino mais visitado por casais apaixonados no Brasil: a Serra Gaúcha. Foram 3 dias e 2 noites em Gramado com um pulinho em Canela, que fica ali do lado.

IMG_3648

Como chegar

Para chegar em Gramado, o caminho mais fácil é de avião, pousando em Porto Alegre (se você estiver fora do Estado). Do aeroporto, são 120km até Gramado – cerca de duas horas de carro – e o caminho mais simples é pela BR-116 e depois a 373.

Esse trajeto foi o que um amigo local me sugeriu, já que devido às chuvas, a qualidade das estradas poderia estar comprometida. Logo, não segui a sugestão do Google Maps e no fim, não sei e nem nunca saberei se fiz bom negócio, rs.

A primeira metade, chamada de Rota Romântica é bem bonita: muitas curvas e flores, realmente encantador. Quando saí da 116 fiquei bem impressionada com a qualidade das estradas, que são bem ruins. Metade do caminho não é asfaltado e como havia chovido muito durante a semana, vários trechos estavam interditados com deslizamentos. Uma recomendação pessoal se você for dirigir, é evitar ir à noite, já que além das estradas esburacadas e o risco de atolamento, a neblina é deixar qualquer um desesperado (não dá para ver nada mesmo ).

Uma alternativa para os mochileiros, é ir de ônibus. A Citral faz o trecho até a Serra e apesar de achar que ter um carro facilita bastante a locomoção por lá, vi que a Rodoviária de Gramado é bem no Centro, ou seja, indo de ônibus você conseguirá fazer visitar as principais atrações de Gramado à pé e pode chamar um táxi para ir a Canela.

Há também um ônibus de turismo (aqueles de dois andares) que faz paradas nos principais pontos turísticos em Gramado e Canela e é uma ótima saída para quem não quer dirigir. Para saber mais, clique aqui.

Caso esteja procurando algum serviço mais personalizado, é possível contratar um transfer ou carro particular com antecedência.

Clima

Por estar em uma zona temperada, o clima aqui é ameno no verão e bem frio no inverno com chuva durante todo o ano. Neblina e geada são frequentes à noite e em casos extremos, pode chegar a nevar.

IMG_20170611_130814069
Esse azul do céu de gramado ❤

Durante os dias que estive em junho, a temperatura oscilou entre 3 e 14 graus Celsius.

Onde ficar

Existem milhares de opções de hospedagem na região e até a possibilidade de fazer um bate e volta de Porto Alegre. Eu me hospedei no Estalagem St Hubertus, que fica em Gramado.

O hotel é lindo, de frente ao Lago Negro e por ser Dia dos Namorados, já na entrada nos receberam com um espumante.

IMG_20170609_212924398IMG_20170609_212941075

 

Os amenities do banheiro eram todos L’Occitane (AMO!).

IMG_20170609_214313710

E como cheguei tarde e cansada, pedi room service para o jantar (e estava tão bom que acabei pedindo room service nas duas noites seguintes também).

IMG_20170609_220858009

Além do conforto do quarto, as áreas comuns do hotel são um charme a parte – Sala de leitura, sala de bilhar, mini biblioteca, sala de TV (SKY HDTV) e de jogos (cartas e xadrez, sala de reuniões (até 16 pessoas), trilha para caminhada em frente ao hotel, piscina térmica coberta e com cascata, sauna, equipamentos para ginástica: bicicleta e esteira e sala de lareira.

Ah e não menos importante: o wifi é gratuito e funciona bem tanto no quarto quanto nas áreas comuns.

IMG_20170610_170556271IMG_20170610_170553250IMG_20170610_170545300

O café da manhã e o chá da tarde estavam incluídos na diária e diariamente, um pouco antes do jantar, deixavam uma térmica com água quente, saquinhos de chá e cookies no quarto.

IMG_20170610_171239765
Chá da tarde
IMG_20170609_224007643.jpg
Chá com bolacha no quarto todo dia antes de dormir  

Na última noite, fiz massagem e limpeza de pele no spa do hotel e foi uma delícia – além do preço super justo: R$245.

Na saída, o staff nos presenteou com uma foto do casal e uma sacolinha com água, palha italiana e um brinde.

Apenas o hotel mais atencioso no qual já me hospedei.

Diárias a partir de R$800,00.

Roteiro 

Basicamente dividi meu fim de semana em Canela (sábado) e Gramado (domingo).

Canela

Parque Estadual do Caracol: A atração mais visitada em Canela foi a minha escolhida para começar o fim de semana. A 7km do centro, o cartão postal é com certeza a Cascata do Caracol, uma queda d’agua de 131 metros. A trilha de acesso está interditada a alguns anos, mas você pode vê-la se fizer o passeio de teleférico. Custa R$42 por pessoa e estudantes não pagam meia (#chateada). O bondinho faz três paradas, sendo que a melhor fotografia é tirada na última (e mais próxima a queda). O Parque é lindo e vale o investimento!

IMG_20170610_140247127

Mundo a Vapor: Parque/museu dedicado ao processo de maquinário no Brasil, em especial ao trem, aqui se visualiza em miniaturas todos as etapas da industrialização na primeira metade do século XX. O ingresso, no valor de R$30 também dá direito a um passeio de trem.

IMG_3641IMG_3644

Reino do Chocolate:  Espaço dedicado à história do chocolate, estava fechado quando visitei, porém tem uma loja IMENSA de chocolates Caracol, super tradicionais por lá. Ou seja, as compras de chocolate valeram a visita.

IMG_20170610_152554998

Tanto em Gramado quanto em Canela o que não faltam são chocolateries. Pesquise antes uma marca e tipo de chocolate do seu agrado e dedique uma horinha do seu dia para ir a uma loja específica.

Gramado

Lago Negro: De frente ao hotel que estava hospedada, esse lago tem além de um Parque lindo ao arredor aonde os gaúchos se encontram para conversar e tomar um mate, uma pista de caminhada de 700m e diversas lojinhas com artesanato e comida típica. Fiz o passeio de 20 minutos de pedalinho por R$30 e voltei a ser criança.

IMG_20170611_123957647IMG_20170611_121540295

IMG_20170611_123054994-EFFECTS

Le Jardin – Parque de Lavanda: O nome do local é um pouco injusto, uma vez que, diferentemente do que acontece nos Lavandários de Cunha, não vi nenhuma área só de lavandas e sim diversas flores e árvores. Apesar disso, o espaço é lindo e vale a visita, e na saída, uma loja vende cosméticos e produtinhos feitos com as flores por lá cultivadas.

IMG_20170610_120400096IMG_3627

Rua Coberta e Arredores: Provavelmente o lugar mais visitado de Gramado, a rua Coberta é uma rua de 100 metros que, como diz o nome, é coberta e reservada para pedestres. No dia que fui, estava tendo a Feira do Livro de Gramado, com diversas tendas e uma banda tocando jazz ao fundo. Para quem quiser almoçar, vários restaurantes também estão na rua. Saindo de lá, dê uma volta pelo centrinho de Gramado, com várias lojinhas de roupa, comida, artesanato e muitos restaurantes.

IMG_20170611_144507391IMG_20170611_161416069

Gastronomia

A gastronomia local é maravilhosa e famosa pelo Café Colonial, uma espécie de Brunch, com bebidas quentes, sucos, muitos pães e bolos, tortas e doces. Outras iguarias facilmente encontradas são: vinho e suco de uva (já que a região também é conhecida por suas vinícolas) e queijos.

IMG_20170610_101807923
Detalhe do Café Colonial do hotel

Como no hotel tanto o café da manhã quanto o chá da tarde estavam inclusos na diária, acabei fazendo poucas refeições fora, uma ótima pedida para economizar!

Em Gramado, a oferta de restaurantes é maior, já que muito do turismo rola em torno da gastronomia e as opções são fartas quando se trata de cozinha européia: restaurantes de comida suíça (e muito fondue), alemã e cantinas italianas estão por toda a parte.

Estes foram os restaurantes onde estive, todos em Gramado:

Cantina Pastasciutta: Almoço do primeiro dia, essa cantina é bem famosa por lá. Estava tão frio que eu só queria saber de comer uma massa bem quentinha e valeu a pena. O único porém é que a fila de espera às 16h era de 40 minutos, então acredito que mais cedo deve ser ainda mais concorrido. As massas são servidas para duas pessoas e tem a opção de pegar antepastos no buffet por um preço de R$11 por 100 gramas.

Alemanha Encantada: Esse lugar é um complexo com restaurante + loja + torre de Observação – chamada Torre da Princesa. Localizado em frente ao Lago Negro, o espaço tipicamente alemão, tem entrada gratuita tanto para o restaurante quanto para a loja e cobra R$8 para subir na Torre, que leva esse nome devido à Rapunzel que fica lá em cima recepcionando os turistas. Não subi na torre, mas parei no restaurante para provar o famoso Apfelstrudel, que estava bom, mas não maravilhoso. Ouvi dizer que o melhor da região é o do Castelinho, que fica em Canela. Quanto à comida, não provei mais nada, mas todos os pratos germânicos estavam com uma cara ótima e a carta de cervejas também me pareceu bem interessante.

IMG_3649

La Maison de La Fondue: Como já sugere o nome, o carro chefe aqui é o Fondue. São diversas opções, das quais algumas nunca tinha ouvido falar (tipo, Fondue de peixe) e alguns acompanhamentos clássicos da culinária suíça. Estar na Serra no inverno e não experimentar um Fondue é quase um pecado, dadas a oferta de restaurantes desse tipo. Acabei escolhendo este porque era o mais próximo de onde eu estava passeando e tinha uma boa pontuação no Foursquare. O tradicional é pedir o rodízio, mas como estava com o horário apertado, pedi o Fondue de queijo e alguns acompanhamentos. Confesso que não foi o melhor Fondue que comi na vida – em São Paulo, o Hannover e o Chalezinho são melhores. O preço fica na casa de uns R$150 por pessoa para o rodízio e uns R$90 por Fondue individual a la carte.

Custo geral: $$$(moderado)

NOVIDADE – JAPAN HOUSE em São Paulo

No mês passado foi aberto um novo super espaço que integra cultura, artes, gastronomia, tecnologia, informação e atividades ao público. Combinação incrível, não é? São Paulo é privilegiada por ser a primeira cidade a receber a JAPAN HOUSE (unidades em Londres e Los Angeles serão inauguradas ao final de 2017 e 2018, respectivamente).

O edifício, que chamou atenção (pelo menos a minha!) durante todo o seu período de construção, foi projetado pelo arquiteto Kengo Kuma. A fachada é composta por peças de madeira encaixadas umas nas outras, dando origem a uma trama sem o uso de nenhum prego ou parafuso. Por si só uma obra a ser admirada, está localizada no início da Avenida Paulista, e é mais um presente para a cidade.

IMG_20170514_124204722.jpg
Fachada impressionante projetada por Kengo Kuma

Os três pavimentos abrigam café, loja com produtos “Made in Japan”, biblioteca, jardim, área para exposições, salas para palestras, aulas reuniões e workshops, e restaurante do chef Jun Sakamoto.

Criado e financiado pelo governo japonês, o espaço surge para promover elementos genuínos da cultura japonesa para a comunidade internacional. Segundo a página virtual do projeto, deseja-se proporcionar “um intercâmbio intelectual entre Japão e o resto do mundo, capaz de produzir grandes oportunidades e atrair visitantes para novas experiências e atividades”.

A enorme comunidade japonesa que migrou a São Paulo e seus descendentes, são responsáveis por muitos aspectos da diversidade desta cidade e é com muita alegria que temos que receber uma instalação como esta. Na avenida mais paulista de todas, a Japan House chega para agregar ainda mais conhecimento e informações sobre a cultura milenar deste povo.

Como costuma acontecer por aqui, toda novidade vem acompanhada de muito interesse, movimento e filas. Se o desejo é visitar com mais tranquilidade, a sugestão é aguardar a passagem da onda de euforia.

IMG_20170514_130538072.jpg
Detalhe da obra de Chikuunsai Tanabe na exposição de abertura “Bambu – Histórias de um Japão

Avenida Paulista, 52 – Bairro Paraíso

Terça a Sábado, das 10h às 22h / Domingos e feriados, das 10h às 18h (Confira no site os horários específicos de cada setor e programação).

Você sabia que aos domingos a Avenida Paulista é aberta apenas para pedestres? Que tal aproveitar para visitar a Japan House? Clique aqui e saiba mais!

Como chegar: A melhor opção é através do transporte público: diversas linhas de ônibus passam por lá e está bem próximo da Estação Brigadeiro do Metrô (Linha 2 – Verde).

Telefone (11)3285-3734

Top 3: PRAIAS EM SÃO PAULO

Leia também: Roteiros em São Paulo

Viver em São Paulo é uma delícia, mas tem horas que tudo que a gente precisa é de um tempo perto da natureza, seja para reunir os amigos e farrear, seja para só sair um pouco da loucura do dia a dia e descansar.

Um país e imenso como o Brasil e tão próximo à linha do Equador, tem lá suas vantagens e uma delas é o clima agradável durante todo o ano e a possibilidade de poder escolher o tipo de aventura que queremos experienciar, independentemente da estação.

Mencionar praia ao falar de SP pode parecer esquisito, mas não é. São Paulo é cercada de centenas de praias maravilhosas e que se dividem em litoral sul – mais pertinho, cerca de uma hora da capital – ou litoral norte, que na minha opinião além de ter praias melhores, tem um leque de opções imenso que agrada tanto gregos quanto troianos.

No Top 3 de hoje, trazemos uma seleção de praias para diferentes ocasiões no Litoral Norte para você programar seu fim de semana rapidinho.

Maresias – Diversão com amigos

Com certeza a praia mais animada do Litoral, a fama de Maresia se deve às milhares opções de hospedagem – que vão de hostel a pousadas de luxo – muitos restaurantes e a balada mais animada do litoral, o Sirena.

O mar, nem tão calmo assim, atrai surfistas de todas as partes. É definitivamente aquele tipo de praia para ver e ser visto – point de paquera e muita azaração.

Praia da Baleia – Sossego com a família

Qual a primeira coisa que vem na sua cabeça ao ler Praia da Baleia?

Isso, ele mesmo: Nissim Ourfali

Entre Juquehy e Maresias, a região da Baleia apesar de ser bem tranquila e bem caracterizada pelos casas e condomínios de luxo onde famílias passam os finais de semana, é bem próxima a diversos restaurantes localizados nas praias vizinhas – como o premiado Manacá.

manacá
Entrada do Restaurante Manacá, na vizinha Camburi

Com mar calmo, água morna e pouquíssimos – ou nenhum – ambulante na praia, essa pode ser a sua melhor opção se estiver atrás de sossego com comodidade. A viagem da capital até aqui leva um pouco menos de três horas e hotéis são raros na região, então talvez a melhor opção seja procurar um airbnb.

Ilhabela – Natureza levada a sério

Gosta de trilhas, natureza, praia, tudo junto? Ilhabela é o seu lugar. Esse arquipélago a pouco mais de três horas de viagem tem tudo isso e um pouco mais. Formado por um conjunto de 14 ilhotas, e com 84% do território pertencente ao Parque Estadual, o que não vai faltar por aqui é verde. Na alta temporada a região fica lotada de jovens que procuram aventura. Por aqui também se vê boa gastronomia, a exemplo do Marakuthai da chefe Renata Vanzetto que nasceu aqui. Para chegar, só de balsa (que sai de São Sebastião). O imperdível? A trilha até a praia de Castelhanos, seja ela feita a pé ou por um dos milhares jipeiros espalhados por aqui

IMG_20170226_115051725.jpg
Natureza sem fim

TOP 3 – Doçuras imperdíveis em São Paulo

Sempre destaco a diversidade paulistana em meus textos, e é claro que a gastronomia não fica de fora.

Destas vez vou dar destaque às mini delícias que encontramos por aí. Difícil selecionar apenas 3, mas tentei equilibrar estilos e sabores.

1)  Não podia ser diferente: o brigadeiro! Amado por todos (eu, sinceramente, não confio em quem não goste!), tem presença obrigatória em qualquer celebração de aniversário que se preze. Mas você já deve ter notado que, de uns tempos para cá, ele vem também dando às caras em diversas outras ocasiões, e em muitos estilos.

Para muitos, não há a possibilidade de um brigadeiro ser ruim, mas eu discordo desta posição. A combinação de sabores e a qualidade dos produtos faz grande diferença no resultado final.

Para não correr risco algum, vá até a “Maria Brigadeiro” e se entregue de olhos fechados. Pioneira na produção de brigadeiros artesanais, fundada em 2007, a ideia introduzida pela marca foi uma das responsáveis pela popularização e comercialização deste docinho tão brasileiro da forma que encontramos atualmente.

Mas não tenha preconceitos ou pense que é mais um exemplo de “gourmetização”. Sim, sabemos que este fenômeno pode elevar bastante os preços dos produtos, e na maioria das vezes a qualidade não acompanha.

Neste caso não há nada disso, prove para crer. Com rigoroso padrão de qualidade, desde os fornecedores, até o enrolar do docinho (sempre finalizados na hora, para preservar o sabor e a textura originais do brigadeiro), oferece até 20 sabores, e estes, sim, são espetaculares.

É claro que a experiência de experimentá-los nas lojas é incrível, mas também é possível comprar os produtos através da loja online.

ImageResizer.net - oduumfx489pcelo
Foto: Maria Brigadeiro

2)  Os resquícios da colonização e imigração portuguesa são muito presentes em nossa cultura e sociedade, mas os doces da culinária lusitana não recebem muito destaque em meio à outros pratos mais populares. Simples, adocicados e geralmente bem amarelos, costumam ser delicados no sabor e textura.

O Pastel de Nata (ou Pastel de Belém, como é mais lembrado) é um dos clássicos muito bem reproduzidos pela Casa Mathilde, doçaria tradicional portuguesa.

Para muitos é o melhor Pastel de Nata do Brasil, e há quem diga que é tão bom quanto o produzido na terrinha de origem, Portugal.

O propósito dos sócios, todos portugueses, é propagar ao paladar dos consumidores brasileiros o gosto pela tradicional doçaria portuguesa. Pelo o que já pude provar, cumprem a missão. A dica é aguardar a saída de nova fornada antes de fazer o pedido e saboreá-lo ainda quentinho.

Sua unidade no Centro, bem próxima à Estação de Metrô São Bento, tem localização privilegiada e foi a única unidade por muitos anos. Se tiver oportunidade, vá até este espaço no Centro e curta também à vista para o centro antigo da cidade, mas se não foi possível, visite os demais ponto, em Moema, Santana e Paraíso.

Img 2
Foto: Casa Mathilde

3)  Sucesso nos anos 90, o bolo de coco gelado retornou às graças tão gostoso quanto sempre foi! Dentre os itens “vintage” que voltaram à moda, este é um dos meus favoritos. Não só delicioso, ele também ativa em mim memórias boas memórias nostálgicas.

Simples, mas cheia de etapas, a preparação deste bolo ultra molhadinho pode tomar um pouco do seu tempo (mas com certeza valerá à pena!). Para saborear a qualquer hora, não deixe provar a versão – super fiel – à venda na Carole Crema Doces.

Servido como deve ser, a farta fatia vem embrulhada em papel alumínio, sendo doce e gelado na medida certa.

A visita à confeitaria vale à pena pelas outras delícias expostas, mas também é possível comprar através da loja online e fazer encomendas.

Img 3
Foto: Carole Crema

Mais informações:

Maria Brigadeiro – Do Cacau ao Brigadeiro

Rua Capote Valente, 68 – Bairro Pinheiros

Das 11h às 19h

Telefone 3087-3687

Shopping JK Iguatemi

Avenida Presidente Juscelino Kubitschek, 2041, loja 121 Térreo

Das 10h às 22h

Telefone 3152-6120

Casa Mathilde

Praça Antonio Prado, 76 – Centro

De Segunda a Sexta, das 9h às 20h / Sábados e Feriados, das 09h30 às 16h30 / Fechados aos Domingos

Telefone 3106-9605

Avenida Ibirapuera, 2082 – Moema

De Segunda a Quinta, das 9h às 19h30 / Sextas, Sábados, Domingos e Feriados, das 09h às 22h

Telefone 5051-3204

Santana Park Shopping – Rua Conselheiro Moreira de Barros, 2780

De Segunda a Sábado, das 10h às 22h / Domingos e Feriados, das 14h às 20h

Telefone 2208-2714

Shopping Pátio Paulista – Rua Treze de Maio, 1947

De Segunda a Sábado, das 10h às 22h / Domingos e Feriados, das 14h às 20h

Telefone 3171-1725

Carole Crema Doces

Rua da Consolação, 3161 – Bairro Jardins

De Segunda à Sábado, das 10h às 19h

Telefone 3088-7172

Paulista aberta: Vamos aproveitar o domingo?

Fim de semana chegando e com as temperaturas amenas de outono, a gente só quer saber de ficar perambulando por aí, ainda mais quando o fim de semana chega.

A Avenida Paulista, cartão postal de São Paulo e primeira parada de praticamente todos os turistas, está aberta desde 2015 – mesmo período que foi entregue a ciclovia que atravessa a avenida. O projeto se concretizou na gestão no antigo prefeito Fernando Haddad e só formalizou um pedido antigo de grande parte da população. Existem até alguns movimentos que seguem na luta para manter a avenida aberta aos domingos.

A ideia principal de fechar o tráfego de carros é humanizar mais a cidade, integrando a população que pode caminhar ou andar de bike e lembra um pouco o movimento que já acontece em outras cidades, como no Rio de Janeiro.

Se você tem um domingo livre mas não sabe muito bem por onde começar, aqui vão algumas sugestões.

paulista

Como já dizia a velha piada, a Paulista começa no Paraíso e termina na Consolação. Descendo na Estação Paraíso, a primeira coisa a ser avistada é a Catedral Nossa Senhora do Paraíso, sede episcopal da Eparquia Melquita de São Paulo da Igreja Greco-Católica no Brasil.

Seguindo, a primeira parada, logo ao lado do Shopping Paulista é a Japan House. Recém inaugurado, o centro cultural traz atrações sobre a cultura japonesa e além de exposições, tem biblioteca, restaurante, café e algumas pop up stores, tudo isso num prédio lindão projetado pelo arquiteto Kengo Kuma.

japan house
Japan House

Atravessando a rua está a Casa das Rosas, um complexo cultural com uma programação incrível – dê uma olhadinha no site para ver o que está acontecendo agora – e com um café delicioso, o Caffè Ristoro. Pegue uma mesinha externa e desfrute do dia acompanhado com um docinho da patisserie.

casa das rosas
Casa das Rosas

Andando ainda pelo mesmo lado da calçada, a poucos metros a frente, vê-se o Itaú Cultural.

Quer dar uma olhada em livros e eletrônicos? Só continuar andando e na mesma calçada você pode visitar a FNAC, que fica no subsolo.

estatua viva
Estátua viva

Bora atravessar a rua e curtir um cineminha? No prédio da Gazeta, além do Teatro, o cine Reserva Cultural tem o melhor do cinema alternativo.

Você chegou na estação Trianon MASP! Ótimo, quer ver uma exposição ou ir passear no parque? Quer fazer os dois? Dê um pulinho no MASP e assim que acabar a exposição, não deixe de conferir a feirinha de antiguidades que acontece sempre no vão livre. Atravesse a rua e aproveite uma paz no meio da Paulista: é o Parque Trianon. Aos domingos, diversas barracas ainda vendem diversas comidas em frente ao parque!

masp
MASP

Achou que era o único parque na região? Se enganou! Poucos passos a frente, está o Parque Mario Covas, um pouco menor que o Trianon mas igualmente agradável para uma uma voltinha aos domingos. Essa também é uma ótima sugestão se você estiver passeando com o pet.

Está em dúvida se quer assistir um show, ir ao teatro ou a mais uma exposição? A FIESP tem tudo isso e mais um pouco! Cada domingo, uma programação musical diferente que acontece em frente ao prédio, além de exposições no primeiro andar e no subsolo, teatro e claro, um bom cafezinho, dessa vez na Patisserie Douce France.

Importante:  A Estação Paulista, não fica na Paulista como o nome sugere e sim, na Consolação. Já a Estação Consolação, essa sim, está na Paulista (na altura do número 2000).

Andando mais um pouquinho você chegará na Estação Consolação, a última da Paulista. Por lá o agito é garantido! De um lado da avenida, a Rua Augusta, point dos descolados da cidade com inumeras atrações culturais, restaurantes, bares e baladas, do outro, o Jardins. O metro quadrado mais caro da cidade, além de luxuosas residências, tem opções de restaurantes que não acaba mais. Por ali você também verá o Conjunto Nacional que abriga uma das maiores livrarias do país, a Livraria Cultura; o Instituto Cervantes, centro de ensino de língua espanhola que sempre traz alguma programação especial aberta ao público e mais ao fim da Paulista, o Caixa Belas Artes, um cinema super antigo e que é conhecido pelos eventos super originais, como o Noitão, que traz temas diversos durante a madrugada de sexta-feira.

Spotify: Passeando por São Paulo e quer uma trilha sonora? Clica aqui para ouvir a nossa playlist exclusiva 🙂

Ufa! Quanta coisa! Se você não sabe por onde começar, tem um resumão abaixo! Faça a sua listinha e boa diversão!

Resumindo…

Arte e Cultura 

Japan House – Endereço: Av. Paulista, 52 – Telefone: (11) 3090-8900

Casa das RosasGrátis – Av. Paulista, 37, Paraíso (próximo à estação Brigadeiro do metrô) – (11) 3285-6986.

Reserva Cultural – Av. Paulista, 900 – Cerqueira Cesar (entre as estações Trianon e Brigadeiro do metrô) –  (11) 3287-3529

Itaú CulturalGrátis – Av. Paulista, 149 – Bela Vista (próximo à estação Brigadeiro do metrô) – (11) 2168-1700.

MASP – R$ 15 (meia-entrada para estudantes) ; grátis para menores de 10 anos e idosos. – Av. Paulista, 1578 – Cerqueira César (em frente à estação Trianon-MASP do metrô) – (11) 3251-5644.

Instituto Cervantes – Avenida Paulista, 2439 – 1º Andar, Cerqueira César – (11) 3897-9600

Caixa Belas Artes  – Rua da Consolação, 2423 – Consolação (próximo à estação Paulista, da linha verde) – (11) 2894 5781.

Gastronomia

America – Av. Paulista, 2295 – Bela Vista – (11) 5644-2222

Johnny Rockets – Av. Paulista,  1.230 – 4º. Andar – (11) 3595-1493

Bella Paulista – Aberto 24h – Rua Haddock Lobo, 354 – Cerqueira Cesar (próximo à estação Consolação do metrô) – (11) 3214-3347.

Gopala Hari – Culinária indiana por preços acessíveis e ótimo para vegetarianos – R.Antônio Carlos, 429 – Consolação – (11) 3283-1292

Jiquitaia – Culinária contemporânea feita com ingredientes brasileiros, ótimo para o almoço – R. Antônio Carlos, 268 – Consolação – (11) 3262-2366

Mestiço – Culinária tailandesa com um toque brasileiro –  R. Fernando de Albuquerque, 277 – Consolação – (11) 3256-3165

SujinhoHamburgueria super acessível e deliciosa. A Pamela Domingues tem um vídeo maravilhoso – R. da Consolação, 2078 – Consolação – (11) 3154-5207 – ATENÇÃO: Não aceita cartões, pagamento em dinheiro. 

Capim Santo – Alameda Min. Rocha Azevedo, 471 – Jardins – (11) 3089-9500

Rubayat ParaísoPara os fãs de churrasco de qualidade – Alameda Santos, 86 – Cerqueira César, São Paulo – (11) 3170-5100

Spot – Descolado, ótimo para jantar e para uns bons drinks – Alameda Ministro Rocha Azevedo, 7255 – (11) 3283-0946

Compras

Shopping  Patio Paulista – Rua Treze de Maio, 1947 – Bela Vista (próximo à estação Brigadeiro do metrô) – (11) 3191-1101.

Livraria Cultura  – Av. Paulista, 2.073 – Cerqueira César (próximo à estação Consolação do metrô) – (11) 3170-4033.

Shopping Center 3 –  Av. Paulista, 2064 – Consolação (próximo à estação Consolação do metrô) – (11) 3285-2823.

Fnac –  Av. Paulista, 901 – Bela Vista (entre as estações Trianon e Brigadeiro do metrô) – (11) 2123-2000.

Shopping Cidade de São Paulo – Av. Paulista, 1230 – Bela Vista – (11) 3595-1230

Feira de Antiguidades do MASP – Avenida Paulista, 1578 – Bela Vista

Hotéis

Tivoli São Paulo – Mofarrej – Alameda Santos, 1437, Jardins – (11) 3146-5900
L’Hotel PortoBay São Paulo – Al. Campinas 266, Jardim Paulista – (11) 2183-0500
Renaissance – Alameda Santos, 2233 – Cerqueira César – (11) 3069-2233

Meliá Paulista – Av. Paulista, 2181 – Consolação – (11) 2184-1600

 

Hotel Emiliano – Rua Oscar Freire, 384 – Jardim Paulista – (11) 3069-4369

 

Parques

Parque Mario CovasGrátis – Av. Paulista, 1853, Jardim Paulista

Parque Tenente Siqueira Campos – Trianon – Grátis – Rua Peixoto Gomide, 949, Cerqueira César (em frente à estação Trianon do metrô) – (11) 3289-2160.

 

 

 

 

 

 

[SÃO PAULO] ITAIM BIBI ALÉM DO BUSINESS

Da série dos roteiros pela cidade, vamos começar a semana no bairro que muita gente começa mesmo a semana: Itaim Bibi.

Pólo comercial em São Paulo, nove em cada dez executivos trabalham por aqui. É aqui que fica a sede de praticamente todos os bancos e empresas de tecnologia (Facebook, Google, Linkedin, Twitter…) e que passam milhares de paulistanos diariamente.  Antes que você rapidamente comece a associar tudo isso a um trânsito caótico, gente estressada e muito prédio, viemos dizer que sim, é possível agregar valor até àquele cantinho de São Paulo que faz muita gente acordar cedo na segunda de manhã.

Gastronomia

Esse tópico é polêmico e merece muitos posts, isso porque o Itaim Bibi é um dos bairros mais gastronômicos da cidade (ao lado de Moema, Jardins e Vila Madalena). A seguir meus hotspots, muitos dos quais já apareceram aqui no blog em outras oportunidades. 

Café da manhã

Mr Baker: Provavelmente o lugar que mais frequento em São Paulo. Pelo menos umas três vezes na semana tomo café por aqui e é por aqui que paro quando no caminho para casa estou de bobeira e quero um café. O lugar é pequeno, mas aconchegante, os funcionários são ótimos, os pães uma delícia e o Wi-fi é gratuito e aberto (sim, não tem nem senha!). Precisa de mais?

Octavio Café: Pra quem gosta de café de verdade, esse é um MUST GO na cidade. O espaço, além de lindo, serve uma linha de café própria com diferentes torras, tem sempre uma exposição de arte no segundo andar, wi-fi grátis e o prédio por si só, é de ficar horas admirando. O ponto negativo? Desde o ano passado, eles não funcionam mais aos finais de semana, quando o espaço é reservado apenas para eventos. Adorava ir aos finais de semana, pedir um brunch e ficar divagando…#chateada

octavio.jpg
Café e bolinho de banana

Frutaria São Paulo: Tá empenhado na dieta ou só quer tomar um café mais levinho? Pronto, achou seu lugar! Pet-friendly, com estacionamento de bikes e sempre uma opção saudável, a Frutaria é ótima tanto para o café, quanto para qualquer outra refeição. Super recomendo o açaí frutaria, uma versão sem açúcar mas não menos maravilhosa. Aos finais de semana, tem buffet também com um preço super honesto.

frutaria
Açaí da Frutaria

Almoço

Jamie’s Italian: Primeiro restaurante do chefe-estrela, é um dos meus preferidos por motivo de: o lugar é bem espaçoso e quase nunca tenho que esperar muito e além das massas maravilhosas, eles têm a melhor sobremesa de SP: o famoso brownie com caramelo salgado, pipoca e sorvete.

jamies

Vapiano: Primeira filial brasileira da rede alemã, é ótima porque combina praticidade com comida italiana, que é uma coisa que a gente ama. As refeições são servidas em estações de acordo com o tipo de prato (entrada, salada, massas e pizzas). Tem também uma estação-bar, com vários drinks, mas eu gosto mesmo dos chás gelados que eles fazem por lá.

vapiano
Um dos cardápios do Vapiano

Coco Bambu: A famosa rede de restaurantes e frutos do mar tem uma sede linda na Avenida Juscelino Kubtischek com três andares e vista para a cidade. Funciona bem para almoços e grandes grupos. Ah, e a comida, é claro, é maravilhosa!

Jantar

Cantaloup: Lugar lindo, atendimento ótimo e comida melhor ainda: combo perfeito para ter uma ótima noite. O lugar fica meio escondido atrás de uma fachada de madeira, pode ser um pouco complicado achar, mas fica bem na frente do Limonn. Ah, eles tem mesas bem grandes, então funciona para aquela reunião com a família/amigos também.

Marakuthai: Amo, amo, amo! Culinária tailandesa com ingredientes brasileiros, o menu é o mesmo que o do Jardins, com um ambiente mais descolado. Tem opções vegetarianas e panelinha de brigadeiro para a sobremesa que deixa qualquer um suspirando.

Pomodori: Ótimo para jantares mais intimistas, que pedem uma ocasião especial. Esse restaurante italiano fica numa esquina e apesar de pequeno, é lindo tanto por dentro quanto por fora. A carta de vinhos é ótima, não deixe passar a chance de harmonizar.

Lanches rápidos

Le Pain Quotidien: Padaria que está presente nos quatro cantos desse mundinho, mas que é uma ótima opção se você tá atrás de um almoço tardio ou se só quer um lanchinho mesmo. Sempre escolho uma das tartines, a sopa do dia e de sobremesa, o docinho de pistache e um café. Aos finais de semana, tem também menu de brunch.

Madureira Sucos: Como já entrega o nome, o carro chefe são os sucos – tem todas as combinações possíveis. Para combinar, os sanduíches e as sopas são ótimos e para o café da manhã, são diversas opções que você pode comer tanto no segundo andar quanto no balcão do térreo.

Havanna Café: Rede de alfajores argentina, o café recém inaugurado fica dentro da Livraria Saraiva.

Joy Juice: Outra casa de sucos, mas o que faz sucesso aqui são os wraps. Dá para escolher um do menu ou montar o seu e o mesmo esquema é o mesmo para as saladas. Ótima opção saudável.

Pão com Carne: Essa casinha na rua Joaquim Floriano faz o maior sucesso, vive com gente pelas calçadas. A ideia é simples: um menu de hambúrguer com poucas variações, para pegar e comer rapidinho em pé, por ali mesmo. Os preços são bem atrativos, vale a pena experimentar.

Santo Grão: Mais um dos lugares que mais frequento no Itaim. Um café fofo que, além de café e brunch aos finais de semana, serve pratos deliciosos. De picadinho a moqueca, uma das coisas que mais gosto aqui é o petit gateau de doce de leite, e claro, o cafezinho. Além da loja física, o delivery é ótimo: a comida chega super rápido e vem impecavelmente embalada e bem quentinha.

Sorvetes:

Le Botteghe Di Leonardo: Minha favorita, além dos mais diversos sabores, opções gluten free e lac free, eles tem um picolé para cachorro e área para os pets. Ah, cafezinhos e docinhos estão no menu também!

Cuordi Crema: Além dos sorvetes, servem café e docinhos. Os macarrons valem a pena, sempre compro uma caixinha e trago para casa.

Gelateria Parmalat: Pequena sorveteria que fica no Brascan, tem meu sorvete de leite preferido, cremoso e bem leve.

Davvero: Premiada sorveteria, tem o meu cone preferido: fininho e crocante. Os sorvetes cremosos são meus favoritos, com destaque para os sabores como Tiramissu e Cheesecake.

E mais…

Caso você esteja passeando por aqui às terças-feiras, saiba que ainda dá para comer aquele pastelzinho exxxperto com um caldo de cana na feira, que fica na rua Prof. Tamandaré Toledo, das 6h às 13h.

feira
Feira livre

Bares

Boteco São Bento: A unidade do Itaim do Boteco São Bento fica numa movimentada esquina (Leopoldo x João Cachoeira) e vive lotada! O bar funciona diariamente do meio dia às 2 da manhã, serve almoço, buffet de feijoada aos sábados, mas é a partir de quinta a noite que a coisa começa a pegar fogo. Para quem gosta de bar com uma pegada baladinha, à noite a música alta complica a vida de quem quer ir para o bar conversar, mas soa bem interessante para quem tá afim de paquera e agito.

Peppino: Nova empreitada dos donos do Nino Cucina, restaurante italiano que abriu ano passado e já é considerado um dos melhores da cidade, o bar se destaca como sendo o primeiro bar italiano da cidade. Abre de segunda a sábado para almoço e jantar e promete fugir do menu clássico, com drinks exclusivos e quitutes diferenciados.

Banana Café: Mais um lugar para quem gosta de fervo. Localizado no meio do Itaim, faz às vezes tanto de executivos, que no fim do dia procuram um happy hour animado, quanto dos jovens que estão atrás um esquenta antes da balada. O Banana, que era famoso nos anos noventa, reabriu e além da carta de drinks, se diferencia pela programação musical, sempre com um dj aumentando o barulho, rs.

Boteco Boa Praça: Recém aberto, confesso que nunca fui. O que chama a atenção aqui é a ideia de fazer um bar aberto, como se fosse uma praça mesmo. Arvores e luzinhas dão um ar todo especial ao lugar. Sempre que passo por lá, está lotado, seja aos finais de tarde, seja bem à noite. Do cardápio, destaque para o menu de cerveja, que ajuda a reafirmar as vezes de boteco do local.

Arte

Está atrás de inspiração artística? Vale visitar a Galeria Marilia Razuk, que reune a nata dos mais diversos artistas contemporâneos num mix que sempre dá certo. As exposições são ótimas!

Diversão

Cinema Kinoplex: Procurando um cineminha? No complexo Brascan, um shopping aberto, está um dos cinemas da rede Kinoplex, sempre com todos os lançamentos e salas VIP. Ah, e se você estiver por lá e quiser beliscar uma coisinha, vale a pena passar antes na Lojas Americanas que fica na rua Joaquim Floriano, já que a lanchonete do cinema não tem muita opção.

Parque do povo: Aquele dia de sol e você aí pensando em ir ao Ibirapuera? Saiba que entre os diversos outros parques da cidade, um deles fica aqui na região do Itaim. Cheio de verde, com quadras e pista de caminhada/corrida, o Parque do povo abriu em 2008 e é um oásis no meio do caos. Vale ficar atento à programação que é diferenciada aos finais de semana e sempre tem alguma coisa legal acontecendo. Se você está vindo de trem, melhor ainda: fica do ladinho da estão Cidade Jardim.

Compras

A rua João Cachoeira é o centro comercial mais conhecido por aqui. Uma seleção de lojas de tudo – roupas, calçados, eletrônicos, acessórios, supermercados e por aí vai – tudo no mesmo lugar. Começando na avenida Nove de Julho, a rua atravessa a fronteira de bairros e continua do outro lado da Avenida JK, na Vila Nova Conceição.

Transporte

Dá pra percorrer o bairro todo andando, mas se você estiver procurando uma experiência diferente, só pegar uma bike e aproveitar a ciclovia da Faria Lima, o Parque da Cidade ou ainda, em dias mais calmos, aproveitar as ruelas da região.

Dicas: Não se conteve com as sugestões acima e quer saber mais do bairro? Siga o Instagram do @seubibi e claro, o Instagram do @meetmeinsp. E não custa nada lembrar que clicando aqui você também tem trilha sonora pronta para a sua tarde na cidade 😉

TOP 3 – GASTRONOMIA COMPLETA: COMPRAR + COMER

A diversidade paulistana é uma das características mais importantes da cidade e responsável por um de seus grandes tesouros: a gastronomia. Mas além de te alimentar, aqui encontram-se muitos produtos originais de outros regiões do país e do mundo, proporcionando a chance de se aprender e se aventurar na cozinha e cultura de outras localidades.

Se você curte também cozinhar, fique atento: neste TOP 3, vou indicar três lugares que reúnem boa comida com a oportunidade (tentadora!) de adquirir produtos diversos para incrementar suas receitas.

MERCADO MUNICIPAL DE SÃO PAULO

Conhecido como “Mercadão”, faz você se sentir abraçado: não importando de onde você vem, vendedores, garçons e balconistas vão te oferecer muitos petiscos, frutas e sabores.

Mas sim, um dos pontos mais turísticos da capital, costuma estar bem cheio em fins de semana e feriados. Se você preferir uma experiência mais tranquila, evite estes momentos para visita-lo, mas se não for possível, fique tranquilo… este agito também é a cara desta cidade e não te impedem de aproveitar.

O espaço enorme reúne 2 andares e mais de 300 estandes. A enorme variedade de produtos enche os olhos e a boca d´agua. No andar térreo você encontrará muitas verduras e frutas, queijos, grãos, conservas, especiarias e até mesmo embutidos, carnes e peixes. Ainda por lá, espaços para provar os famosos quitutes do Mercado, como o sanduíche de mortadela e pastel de bacalhau. No mezanino superior, há restaurantes maiores e mais mesas, mas ainda com atendimento concorrido.

Aproveite sua ida para experimentar as combinações de frutas e queijos oferecidas pelos funcionários, sempre surpreendentes, e tente não levar tudo para casa! Sim, os preços podem ser mais elevados que em outros estabelecimentos (lembre-se: você está num ponto cheio de turistas!), mas faça uma pesquisa prévia e compre aqueles produtos mais diferenciados ou difíceis de encontrar.

Conhecer o espaço também vale pela arquitetura: colunas, abóbodas e vitrais são alguns dos traços que dão destaque ao prédio, restaurado na década passada e idealizado por Francisco de Paula Ramos de Azevedo, mesmo responsável pelo Teatro Municipal de São Paulo e Pinacoteca.

Rua da Cantareira, 306 – Centro

Aberto todos os dias: Segunda a Sábado, 6h às 18h, Domingos e Feriados, 6h às 16h.

EATALY

Dentre as minhas indicações, esta é a que se instalou mais recentemente pela cidade. Apesar de jovem por aqui, todas as vezes que estive presenciei bom movimento, atendimento cordial, diversidade de atividades e ofertas aos visitantes.

Atualmente com 29 lojas pelo mundo (quinze presentes na própria Itália, nove no Japão, duas nos Estados Unidos, uma em Dubai, uma em Istanbul e uma em São Paulo), a proposta, segundo os responsáveis, é “reunir todos os alimentos de qualidade sob o mesmo teto, um lugar onde você pode comer, comprar e aprender”.

“Cozinhamos o que vendemos e vendemos o que cozinhamos.”

São Paulo foi escolhida para receber uma das unidades por ser, nada menos, a cidade onde vive o maior número de italianos fora da Itália. Enorme responsabilidade, não é?

Por aqui, esta marcante presença já garante centenas de restaurantes e empórios com produtos e receitas originárias da terra mãe, mas o Eataly é o apogeu disto tudo: 13 pontos de alimentação e um mercado com cerca de 7 mil produtos italianos e locais.

Estando por lá, leve a sério o mandamento “A vida é muito curta para não comer e beber bem”. A oportunidade de provar receitas que seguem as tradições e são feitas com produtos de extrema qualidade é inspirador e fará você buscar as matérias-primas pelos corredores em seguida. Hortifrúti, laticínios, embutidos, queijos, açougue, “la mozzarela”, rosticceria, pasta fresca e a padaria são alguns dos setores.

Av. Presidente Juscelino Kubitscheck, 1489 – Bairro Vila Olímpia

Aberto todos os dias: Domingo a Quinta, 8h às 23h, Sexta e Sábado, 8h às 24h.

MERCADO MUNICIPAL DE PINHEIROS

Sempre nas sombras do semelhante e muito mais famoso “Mercadão”, a unidade de Pinheiros vem se transformando nos últimos anos e chamando cada vez mais atenção. Destacam-se os novos espaços gastronômicos administrados pelo Instituto ATÁ, do chef Alex Atala. Já foram inaugurados boxes que representam os cinco biomas brasileiros: Mata Atlântica, Amazônia, Caatinga, Cerrado e Pampas. Nestes encontram-se a venda mais de 600 produtos de vários cantos do país, oriundos de pequenos produtores: geleias, cachaças, molhos, queijos, castanhas, méis e até mesmo artesanato.

Apesar da nova fase ainda não estar completamente em operação, já pode-se mencionar a marcante presença da Comedoria Gonzales, do chef Checho Gonzales: no balcão você poder provar um dos melhores ceviches da cidade, Mocotó Café, do chef Rodrigo: com amostras das delícias oferecidas no restaurante mais nordestino (e querido) da cidade, e Napoli Centrale, que segue as regras napolitanas e produz pizzas individuais, para apreciar com as próprias mãos, com ingredientes italianos de verdade. Todos funcionam com a proposta de fazer o pedido no caixa e serviço em balcão e mesas coletivas.

Rua Pedro Cristi, 89 – Pinheiros

Mercado aberto de Segunda a Sábado, 8h às 20h. Confira os horários dos boxes.

PASSEIO POR UM DIA – BOM RETIRO

Tem um dia livre para curtir a cidade? Na minha opinião, não é preciso ser turista para se interessar por explorar uma região nova! Ainda mais em São Paulo! Por aqui, além de muitas áreas bacanas para serem conhecidas, toda hora surge algo novo ou reformulado que chama atenção.

Mas por conta do tamanho de Sampa, e para fazer render seu tempo livre, é importante mapear bem a área a ser visitada e definir os pontos a serem conhecidos levando em consideração deslocamento, horários de funcionamento e distâncias. Minha sugestão neste caso, e em demais grandes cidades que você for conhecer, é destinar um período (manhã, tarde ou noite) ou o dia inteiro para uma determinada região. Desta forma, você se descola uma única vez para o local e tira o maior proveito possível de lá.

Neste post, hoje, vou direcioná-lo a como aproveitar o Bairro Bom Retiro.

Além de ser uma das regiões comerciais mais importantes da cidade, o bairro é carregado de história. A dica é já dar início ao passeio usando o transporte público e acessando a área pela Estação da Luz. A construção, toda inspirada e com peças vindas da Inglaterra, é deslumbrante e repleto de detalhes artísticos na infraestrutura.

Logo em frente, como já mencionada algumas vezes neste blog, está localizada a Pinacoteca de São Paulo, o museu mais antigo da cidade. Aberto ao público das 10h às 18h, frequentar cedo pode garantir mais tempo e tranquilidade para circular pelas instalações.

Se desejar almoçar, você pode optar por conhecer um dos restaurantes gregos mais tradicionais da cidade. O Acrópoles, inaugurado em 1959, é uma casa pequenina e com decoração simples, mas sempre cheio de clientes apaixonados e comida autêntica e boa. Um dos charmes é fazer seu pedido direto para a equipe da cozinha: vá até aos fundos e escolha a delícia grega através de uma vitrine envidraçada. Aos fins de semana, por ter poucas mesas, a fila é grande e a espera exige um pouco de paciência.

Outro grande destaque é ceder algum tempo para conhecer as ruas de comércio de roupas: a mais famosa é a Rua José Paulino, mas nas ruas perpendiculares também são encontradas boas ofertas. Sede de muitas fábricas, as peças comercializadas por lá foram, por muitos anos, destinadas aos logistas através do atacado. Com o passar do tempo, a venda varejo começou a ganhar espaço, mas muitos ainda pensam que por lá os preços baratos representam má qualidade. Mas não vamos generalizar! Sim, como em todo comércio, a oferta é variada e é necessário atenção e bom senso ao comprar. Um ponto negativo ainda praticado em grande parte das lojas é não permitir a prova de roupas, dando como alternativa, em alguns casos, testar as peças por cima de suas próprias roupas.

Se estiver com apetite para um lanche da tarde, vale a pena conhecer a Casa Búlgara e os salgados típicos preparados pela proprietária imigrante e sua filha desde 1976. A especialidade é a bureka, uma espécie de rosquinha de massa folhada recheada (os sabores tradicionais são: queijo búlgaro – preparado na matriz, espinafre com queijo e carne com berinjela).

Para preencher seu dia com mais atrações, que tal conhecer o Sesc Bom Retiro? A dica é conferir as atrações com antecedência, muitas vezes gratuitas ou com preços camaradas, e se programar. Cinema, teatro, exposições, apresentações musicais e aulas interativas podem estar disponíveis.

Mais informações:

Pinacoteca de São Paulo

Praça da Luz, 02 – Bairro Luz

Visitas: Quarta a Segunda, das 10h às 17h30 (com permanência até às 18h)

Ingressos: R$6,00 (inteira) e R$3,00 (meia). Crianças até 10 anos e adultos maiores de 60 não pagam. Gratuidade aos sábados para todos.

Como chegar: Estação da Luz do Metrô e CPTM.

Telefone (11)3324-1000

Restaurante Acrópoles

Rua da Graça, 364- Bairro Bom Retiro

Aberto todos os dias, das 7h30 às 20h

Telefone (11)3223-4386

Casa Búlgara

Rua Silva Pinto, 356 – Bairro Bom Retiro

Segunda a Sexta, das 9h15 às 17h / Sábado, das 10h às 14h

Telefone (11)3222-9849

Sesc Bom Retiro

Alameda Nothmann, 185 – Bairro Bom Retiro

Terça a Sexta, das 9h às 20h30 / Sábado, das 10h às 18h30 / Domingo, das 10h às 17h30

Telefone (11)3332-3600

DICAS ÚTEIS – Bilhete Único para você, turista!

Se você está programando turistar por São Paulo, esta dica é perfeita para você!

Que São Paulo é uma cidade enorme todo mundo sabe. Passear por aqui, muitas vezes, não pode ser somente à pé – principalmente se você pretende circular por regiões diversas em um único dia.

O transporte público da capital, além de te transportar para vários lugares, é também uma das formas mais interessantes de adentrar ainda mais nas tramas que envolvem uma cidade, sendo capaz de revelar segredos e hábitos da população local.

As passagens custam, neste momento (Maio/2017), R$ 3,80 e dependendo de como você planejar seus passeios, a conta pode ficar cara no fim do dia.

Um dos grandes recursos usados pelos paulistanos para se locomover entre ônibus e metrô é usar o “Bilhete Único”, um cartão recarregável que desconta o valor de cada viagem feita conforme posicionado nas catracas de acesso.

Se você pensa que, por estar de passagem por alguns dias, não poderá usar esta ferramenta, está enganado. Que bom, não é? Este cartão está disponível para retirada imediata e a DICA ÚTIL de hoje vai te ajudar a tê-lo e circular mais tranquilo pela cidade.

Podendo ser adquirido em Postos Autorizados (Encontre aqui: www.sptrans.com.br/servicos/bu-sem-cadastro.aspx), o Bilhete Único Anônimo (sem cadastro) custa R$ 3,80 + compra mínima de 5 tarifas vigentes.

Bilhete-Unico
Foto: Sptrans

Além de agilizar sua entrada em ônibus e estações de metrô, usar o cartão reduz o número de vezes em que você terá que buscar por dinheiro no meio das multidões que acessam espaços coletivos.

Outras vantagens: Descontos na integração entre ônibus e metrô, possibilidade de usar até 4 linhas de ônibus no intervalo de 3 horas pelo preço de uma única passagem ou, por este mesmo valor, uma entrada no metrô e mais 3 linhas de ônibus.

Depois de saber disto, só falta traçar no mapa os pontos que você deseja conhecer, sem medo da distância!

Top 3: EXPERIÊNCIS GASTRONÔMICAS NO RJ

Conhecido mundialmente como “capital do Brasil” pelas belezas naturais, corpos bronzeados e o maior carnaval do mundo, o Rio de Janeiro merece muitos posts. Este é só o primeiro deles, e também a estréia da sessão Top 3 aqui do blog.

Injustamente rejeitado pela vizinha São Paulo – e capital sul-americana da gastronomia – o Rio também proporciona experiência incríveis em restaurantes ótimos e chefes premiados.

Uma prova disso é que, na lista anual publicada pela revista Restaurant com os 50 melhores da América Latina, três são cariocas. Das minhas três recomendações, duas entram nessa lista!

Está com viagem marcada e quer ter uma noite mais do que especial? Lá vão as dicas:

Olympe – 17° melhor restaurante da América Latina 

Restaurante carro chefe dos grupo Troisgros, oferece  menu convencional e menu degustação (que varia muito, mas que quando fui tinha 12 pratos), e mistura pratos clássicos brasileiros com um toque francês.

1olympe-claude-troisgros1 destemperados
Foto: Desetemperados

Encabeçado pelos irmãos Claude e Thomas Troisgros, a posição do restaurante não é a toa. O espaço pequeno e acolhedor no entorno do Jardim Botânico, point de ótimas opções alimentícias, é cheio de gringos que buscam entender um pouco mais da culinária dos chefes-estrela. Com umas dez mesas, o serviço é impecável e a comida maravilhosa, um ambiente calmo e ligeramente silencioso. O menu principial há variações, eu mesma pedi o vegetariano e provei um dos melhores nhoques que já comi nessa vida.

Definitivamente, o meu restaurante preferido no Rio.

Endereço

R. Custódio Serrão – Lagoa, Rio de Janeiro – RJ, 22470-230

Telefone: (21) 2537-8582

Aprazível – Dining with a view

Localizado no morro de Santa Tereza, cercado de natureza e com o mar ao fundo, com certeza uma das vistas mais lindas do Rio de Janeiro. Se você quer curtir um drink with a view, esse é o lugar.

A culinária é prioritariamente brasileira, mas vem de forma bem democrática. São petiscos, drinks e pratos que são servidos durante todo o dia. As estrelas do menu são, com certeza os frutos do mar, mas a minha menção de honra vai para uma entrada: o palmito assado fresco.

palmito
Palmito assado dos deuses
upload_-1(26)
Baião de dois: sorvete de tapioca com calda de açaí

Endereço

Endereço: R. Aprazível, 62 – Santa Teresa, Rio de Janeiro – RJ, 20241-270

Telefone: (21) 2508-9174

Translado: Por estar localizado no topo de Santa Tereza, sair do restaurante pode ser bem complicado se você estiver dependente de táxi/Uber – afinal, além de estar super isolado, o acesso à internet é bem escasso. Pensando nisso, o restaurante oferece um translado. Para reservar na ida também, só clicar aqui. Na volta, embora seja sugerido também ter reserva, eu consegui um disponível na saída do restaurante.

Lasai – 18° melhor restaurante da América Latina

Imagine a seguinte situação: você acabou de aterrizar no Brasil e não tem ideia do que está fazendo aqui, como se vive, o que se come. Imaginou? Pois bem, neste caso eu recomendaria a você parar no Lasai antes de fazer qualquer outra coisa no país. Do chefe Rafa Costa e Silva, um carioca cheio de inspirações mundanas, acho que é o restaurante que mais resume a culinária brasileira, feito com ingredientes orgânicos – sim, eles têm duas hortas – e totalmente cotidianos. Sem frescura mesmo, sabe? Pão de queijo, goiabada, queijo curado…coisa que todo brasileiro, em qualquer parte do país, já comeu. E mais: conseguiram fazer isso dentro de um menu degustação, sem ficar chato e com muita, mas muita comida (eu já estava sem fôlego quando chegou a hora da sobremesa – as porções são bem fartas).

lasai
Parte do menu: para se comer ajoelhado

Endereço

Rua Conde de Irajá, 191 – Botafogo, Rio de Janeiro – RJ, 22271-020

Telefone: (21) 3449-1854

Importante: Por serem sempre bem concorridos, vale lembrar que é interessante reservar com alguma antecedência, especialmente o Olympe que não tem muitas mesas.

SÃO PAULO E AS SEGUNDAS FEIRAS

Segunda feira é mundialmente o dia menos esperado e querido por todos, certo? As justificativas mais comuns talvez sejam: começo da semana, retorno às atividades de trabalho/estudos, preguiça, sono, saudades do fim de semana…

Mas fato é que toda semana tem que começar, e as segundas-feiras são fortes o bastante pra aguentar o tranco! Mas já parou pra pensar quantas vezes você conseguiu tornar este dia indesejado mais gostoso? Algumas vezes ele coincide com um feriado e você aproveita um dia extra de folga, outras vezes expande sua mini viagem de fim de semana para retornar para casa com mais calma, e a tal segundona se torna menos desagradável, não é mesmo?

Os mini feriados que estão acontecendo neste semestre me fez parar para pensar nos visitantes que podem estar circulando pela cidade e terem as segundas-feiras livres. Na maioria das vezes, quando programo uma viagem, fico receosa quanto ao que programar de passeios para este dia da semana. Além de universalmente rejeitado, é também comum em muitos lugares ser o dia de fechamento de restaurantes e museus.

São Paulo é uma cidade cheia de acontecimentos, mas já parou para pensar que este padrão também se repete por aqui, em muitos estabelecimentos?

Está montando seu roteiro de viagem? Fique atento: vou reunir aqui algumas atividades que podem ser incluídas na programação das segundas-feiras para quem esta de passeio pela cidade. (E se você for um morador paulistano de nascença, ou apenas de coração, que tal tentar fazer alguma destas coisas um dia desses? De vez em quando é bom sair da rotina e dar uma chance para a Segunda ser tão legal quanto a Sexta!).

PINACOTECA DE SÃO PAULO – Abre as Segundas-Feiras!

Inusitadamente, o museu de arte mais antigo da cidade, passou a funcionar de Quarta a Segunda, das 10h às 17h30 (com permanência até às 18h).

Com ênfase na produção brasileira de artes visuais do século XIX até a contemporaneidade, a visita vale tanto pelas exposições e significativo acerco (quase 10 mil obras!) quanto pelo edifício – construído no final do século XIX para abrigar o Liceu de Artes e Ofícios, foi amplamente reformado pelo premiado arquiteto Paulo Mendes da Rocha no final dos anos de 1990.

Com audioguia gratuito, e em três idiomas (português, inglês e espanhol), o museu convida seus ouvintes a um roteiro proposto, com duração aproximada de 1h30, ou permite acompanhar livremente as obras que mais lhe interessarem.

Img 1 - Pinacoteca SP
Fonte: Site oficial

MUSEU LASAR SEGALL – Abre as Segundas-Feiras e gratuito!

O museu, idealizado pela esposa do artista, está instalado na antiga residência e ateliê que o próprio habitou. Aberto para visitas de Quarta a Segunda, das 11h às 19h.

Em 1985 foi incorporado à Fundação Nacional Pró-Memória, integrando o IBRAM (Instituto Brasileiro de Museus-Ministério da Cultura).

O espaço reúne um acervo grandioso do artista, desde obras originais do artista, mobiliários, documentos e fotografias. Além disto, atua como centro cultural, realizando visitas monitoradas, cursos de gravura, fotografia, criação literária, projeção de cinema e dispõe de uma enorme biblioteca.

Img 2 - Museu Lasar Segall
Fonte: Site Oficial

SALA SÃO PAULO – Visita monitorada (e tranquila).

Se você estiver pelo Centro, por ter ido à Pinacoteca, aproveite para visitar mais ao redor. Como disse, a Estação da Luz é linda e, apesar das obras de reconstrução da estação e do Museu da Língua Portuguesa após o incêndio, ainda há muito o que se ver e se encantar por lá. Logo ali ao lado temos a Estação de trem Júlio Prestes, ainda em funcionamento pela CPTM, e antiga Estação da Estrada de Ferro Sorocabana, do período áureo do café – hoje sede da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo.

As visitas devem ser pré-agendadas por telefone ou e-mail, mas com certeza, a vantagem de ir neste dia é aproveitar o passeio com menos movimento e mais calma para conhecer e apreciar o espaço.

O acompanhamento de um guia também é maravilhoso! Aproveite para saber tudo sobre este patrimônio histórico e marco da cidade, o processo de restauro e revitalização realizado nas últimas décadas e o projeto de adequação do local para a construção da Sala de Concertos – listada entre as melhores do mundo – sua acústica e estrutura.

img 3 - Sala São Paulo
Fonte: Site Oficial

CAIXA BELAS ARTES – Preço camarada!

Até pouco tempo atrás, ao pensar em cinema visualizávamos apenas as grandes salas que se instalaram nos muitos Shoppings Centers da cidade, certo? Mas por muito tempo não foi assim: a maioria das salas estava presente em estabelecimentos térreos, nos grandes centros comerciais ou galerias.

Nos últimos anos, depois de alguns acontecimentos pontuais, pudemos observar o retorno de algumas salas quase extintas e o resgate da magia e charme de ir assistir a um filme em cinema de rua, com grandes letreiros, posters iluminados e pipoqueiro na porta.

Para muitos paulistanos, o Caixa Belas Artes é um dos primeiros pontos que vem à cabeça. Primeiramente denominado “Cine Belas Artes” foi inaugurado em 1967 e sua programação alternativa, mesclando filmes de diversas nacionalidades, desde mais artísticos, clássicos à produções contemporâneas, se consolidou como um dos pontos de encontro intelectual e artístico mais importantes da cidade.

Em 2011, ao ser fechado, o movimento popular contra o fechamento da casa foi criado e fortalecido pelas mãos de moradores da cidade, cinéfilos e clientes, coletando mais de 90 mil assinaturas e representando a maior mobilização já ocorrida no Brasil em defesa de um patrimônio cultural. Mas esta linda história não teve um final feliz tão rápido… mesmo com esta ação bem sucedida, não foi possível adiar o encerramento das atividades. Em 2013 houve o tombamento da fachada do cinema pelo Patrimônio Histórico Estadual, e apenas em 2014 a Prefeitura da Cidade de São Paulo, junto à Caixa Econômica Federal, viabilizaram a reabertura do clássico, e amado, cinema de rua.

Não tem como não querer visitar o espaço depois de saber toda esta história de amor e luta, não é mesmo?

Todas as instalações foram reformadas e atualizadas, dando origem a um espaço muito confortável e agradável. Aproveite para também tomar um café, acompanhar a passagem apressada dos pedestres pela Rua da Consolação e ser transportada para outros tempos.

Confira a programação semanal no site clicando aqui

Img 4 - Caixa Belas Artes
Fonte: Estadão

CINESALA – Preço camarada & Parceria com descontos!

A Cinesala é a primeira unidade de um projeto que busca desenvolver cinemas especiais que recuperem, valorizem e promovam o encontro de pessoas em torno de ideias e cultura.

A reforma de um tradicional cinema de rua do bairro, existente desde 1962, valorizou a escala humana e os cuidados artesanal em receber as pessoas, resgatando a sensação nostálgica de ir ao cinema nas décadas passadas.

Em 2015 foi eleita a sala de cinema mais confortável, e pode-se dizer que isto ocorreu devido a um diferencial muito especial: os assentos variam entre poltronas, e sofás (individuais ou duplos). Estes últimos poderiam ser melhor chamados de camas. Sim, com leve inclinação para a região do pescoço e cabeça, você pode assistir aos filmes na maior comodidade possível. O máximo, não é?

Confira a programação semanal, clique aqui

Img 5 - Cinesala
Fonte: Site oficial

RESTAURANTES – Menu Executivo!

São Paulo é conhecida como a “Terra da Garoa”, mas seria muito apropriado também chamá-la de “Terra da Comida Boa”, ´não é mesmo? Sabemos da variedade gastronômica que a cidade reúne, muito por conta da enorme parcela da população que é filha, neta e bisneta de imigrantes. Sem falar dos que próprios estrangeiros, mais recém-chegados aqui. Italianos, espanhóis, portugueses, japoneses, libaneses, chineses, coreanos…

Mas nem sempre comer bem significa comer barato. Em uma ação que vem sendo cada vez mais praticada em outros países, e ainda mais em períodos de crise, muitos restaurantes seguem a tendência e vem investindo na proposta de Menu Executivo para o almoço nos dias úteis da semana. Na minha opinião, é uma forma muito inteligente de atrair clientes para a casa em dias de menor movimento, quando o intervalo de almoço do trabalho não nos permite fazer refeições muito elaboradas e longas, mas ainda gostaríamos de comer algo especial, conhecer um espaço novo e não deixar o dia passar batido.

No geral, a proposta dos restaurantes é oferecer uma combinação de pratos – reunindo alguns itens como couvert ou entrada, prato principal, sobremesa ou bebida – a um preço fixo. Alguns podem ter uma lista fixa de opções ou uma combinação nova todo dia. O bacana para nós clientes é ter a chance de ter uma experiência nova a um valor acessível. Já para os restaurantes, a oportunidade de se apresentar e se tornarem atrativos para outras ocasiões, conquistando novos fregueses.

Curtir a comida boa de São Paulo, novos ambientes e tudo por um custo inferior ao comum é bom demais! Seguem alguns nomes de restaurantes bem avaliados que apresentam propostas assim:

Petí Gastronomia

R$ 43,50 (Menu Completo)

R$ 39,50 (Menu Reduzido)

Rua Cotoxó, 110 – Bairro Perdizes

Jiquitaia

R$ 49,00 (Entrada + Prato Principal + Sobremesa)

Rua Antonio Carlos, 268 – Bairro Consolação

Nino Cucina & Vino

R$ 44,00 (Dois Antepastos + Prato do dia + Fruta)

Rua Jerônimo da Veiga, 30 – Bairro Itaim Bibi

Jamie’s Italian

R$ 59,00 (Entrada + Prato Principal + Sobremesa)

Avenida Horácio Lafer, 61 – Bairro Itaim

Modern Mamma Osteria

R$ 49,00 (Entrada + Prato Principal + Sobremesa do dia)

Rua Manuel Guedes, 160 – Bairro Itaim Bibi

Eataly

Pranzo Veloce: R$ 38,00 (Prato do dia + Água, suco ou refrigerante orgânico + Doce)/R$ 44,00 (com taça de vinho)

Pranzo d´Affare: R$ 52,00 (Antepasto + Prato Principal + Sobremesa)

Avenida Presidente Juscelino Kubitscheck, 1489 – Bairro Vila Olímpia

L’ Entrecôte de Paris

R$ 57,80 (Salada + Prato Único: Entrecôte com fritas)

Rua Pedroso Alvarenga, 1135 – Bairro Itaim Bibi

Rua Ministro Rocha Azevedo, 1041 – Bairro Jardins

Rua Pará, 210 – Bairro Higienópolis

Avenida Magalhães de Castro, 12000, Shopping Cidade Jardim, 3º piso

Avenida Dr. Chucri Zaidan, 902, Shopping Market Place, Piso 1

Rua Engenheiro Stevenson, 10, Shopping West Plaza, Piso Térreo Bloco B

Almodovar

R$ 34,90 (Entrada + Prato Principal + Sobremesa)

Rua dos Pinheiros, 274 – Bairro Pinheiros

Tasca do Zé e da Maria

R$ 59,00 (Entrada + Prato Principal + Sobremesa)

Rua dos Pinheiros, 434 – Bairro Pinheiros

Minha dica é sempre entrar em contato previamente com o restaurante pelo qual se interessou e se informar se é necessário fazer reserva, confirmar o preço e o horário em que a o Menu Executivo é servido.

Mais informações:

Pinacoteca de São Paulo

Praça da Luz, 02 – Bairro Luz

Visitas: Quarta a Segunda, das 10h às 17h30 (com permanência até às 18h)

Ingressos: R$6,00 (inteira) e R$3,00 (meia). Crianças até 10 anos e adultos maiores de 60 não pagam. Gratuidade aos sábados para todos.

Como chegar: A dica é usar o transporte público: localizada logo em frente à também linda, e histórica, Estação da Luz do Metrô e CPTM.

Telefone 3324-1000

Museu Lasar Segall

Rua Berta, 111 – Bairro Vila Mariana

Visitas: Quarta a Segunda, das 11h às 19h

Ingressos: Gratuito.

Como chegar: Fácil acesso pelas Estações Santa Cruz e Vila Mariana do Metrô (Linha 1 – Azul).

Telefone 2159-0400

Sala São Paulo

Praça Júlio Preste,s 16 – Bairro Luz

Visitas: Segunda a Sexta, das 13h às 16h30.

Agendamento prévio obrigatório pelo telefone (11)3367-9573 ou visita@osesp.art.br

*Grupo com mais de 10 pessoas: agendamento obrigatório com no mínimo 5 dias úteis de antecedência.

Ingressos: R$5,00 (inteira) e R$2,50 (meia para estudantes, aposentados e maiores de 60 anos).

Como chegar: A dica é usar o transporte público: está localizada a poucas quadras da Estação da Luz do Metrô e CPTM.

Caixa Belas Artes

Rua da Consolação, 2423 – Bairro Consolação

Ingressos – Segundas-Feiras (exceto feriados): R$18,00 (inteira) e R$9,00 (meia).

*Segunda-feira do trabalhador (exceto feriados): apresentando um documento de trabalho (CTPS; holerite; comprovante de recolhimento do INSS; cartão de autônomo; carteira funcional; etc) o trabalhador paga meia-entrada.

Como chegar: Mais uma vez, use o transporte público: localizada quase na esquina da Avenida Paulista, está ao lado do acesso à Estação Paulista do Metrô (Linha 4-Amarela) e a 5 minutos à pé da Estação Consolação do Metrô (Linha 3-Verde).

Telefone 2894-5781

Cinesala

Rua Fradique Coutinho, 361 – Bairro Pinheiros

Ingressos – Segundas-Feiras (exceto feriados):

Poltrona: R$20,00 (inteira) e R$10,00 (meia)

Sofá Individual: R$32,00 (inteira) e R$16,00 (meia)

Sofá Duplo: R$62,00 (inteira) e R$31,00 (meia)

*Parceria Cinesala + Catraca Livre: Somente às Segundas-Feiras, ao comprar na bilheteria, mencione a parceria e pague preços especiais para cada uma das opções de assento (em qualquer sessão do dia).

Como chegar: Muito fácil usando o transporte público: localizada a 5 minutos à pé do acesso à Estação Fradique Coutinho do Metrô (Linha 4-Amarela).

SÃO PAULO: LOLLAPALOOZA 2017

No último fim de semana aconteceu em São Paulo a sexta edição do evento mais aguardado do ano, o Lollapalooza. Eu, que até então fui em todas as edições, dei um pulo no Autódromo de Interlagos e faço aqui meu balanço desta edição.

galera

O Lolla (para os íntimos, rs) foi idealizado pelo Pharrell Perry, o vocalista do Jane’s Addiction – que inclusive se apresentou na edição brasileira de 2012 – em 1991 numa versão itinerante. Mas foi só em 2005, que surgiu a versão que conhecemos hoje – um festival dividido em dois dias, durante o fim de semana – em Chicago, nos EUA.

Atrações musicais

Esse ano, o line-up do lolla ficou assim:

af_lolla17_poster_a3_lolladay_161020_sponsor
foto: Lollapalooza

Honestamente, de todas as edições aqui do Brasil, achei esse lineup o mais confuso. Apesar de ter adorado saber que Metallica viria, achei que não “ornou” muito com o resto das atrações. Achei o segundo dia menos mainstream e mais balanceado, apesar de não concordar com o fato de terem colocado Duran Duran à luz do dia.

palco lolla.jpg

O que eu assisti + opinião sincera 

Posso dizer que, claramente, esse foi o Lolla que vi menos shows e que tinha menos atrações que me interessavam.

Sábado

Cheguei por lá quase 16h da tarde – meu recorde até então, que sempre estive plantada esperando a abertura dos portões. E a minha explicação pra essa mudança de comportamento é uma só: não tinha nada que realmente me interessasse antes das 19h30. Em outras palavras: só fui mesmo pra ver Metallica e The XX. Ponto.

Posso dizer que gostei mais do The XX do que do Metallica – não sei se porque já estava o bagaço em pessoa ou porque senti falta de alguns clássicos.

Como estava lá bem antes do XX, aproveitei também pra dar um pulo no show de Tegan&Sara, que foi morno, mas animou o pessoal que estava por lá.

teganandsara
Tegan and Sara (25/3)

No sábado, minha decepção foi não ter visto todo o Chainsmokers, Como era no mesmo horário do Metallica, era inviável vê-lo inteiro, mas os últimos 20 minutinhos que consegui assistir, me deixou com um gostinho de quero mais.

Domingo

Tava mais animadinha pro domingo! Tão mais animadinha, que diferentemente do dia anterior, cheguei lá junto com a abertura dos portões: ao meio dia.

Vi Céu, Jimmy Eat World, Duran Duran, MO e um pedacinho de Melanie Martinez. Por causa do cansaço e de uma bela dor de cabeça, não consegui ver The Weeknd e, como já tinha visto Stokes outras duas vezes, não quis ficar dessa vez.

Apesar da superlotação e da dificuldade de conseguir enxergar qualquer coisa, Duran Duran valeu o dia.

ceu
Céu (26/03)

SpotifyLogo_625

E você já ouviu a playlist do blog? Tem Chainsmokers (que tocou no sábado) e várias outras bandas incríveis! Clique aqui e ouça já!

O que fazer além da música

Sim, nem só de música vive um festival. Atrações radicais dignas de parque de diversões, lojinhas e muita comida estão na lista:

Espaço de Patrocinadores

Espaço Skol: Área da Skol onde dava para pegar um chopp, escrever, grafitar e ver os shows em frente ao palco Skol numa área bem privilegiada.

Espaço Chevrolet Ônix: Área com o brinquedo mais radical do festival: O kamikaze (sim, aquele que deixa você de cabeça pra baixo), além de tatuadores e desenhistas fazendo arte no rosto de quem passasse por lá e claro, exposição do Chevrolet Ônix

#FINDYOURMAGIC AXE: Próximo ao Palco AXE, outro brinquedo fez a diversão de quem adora uma aventura, o “Se joga 2.0”, uma queda livre de alguns poucos segundos, suficientes para fazer os que tem medo de altura suar litros.

 

mapalollapalooza2017
foto: divulgação

Outros Espaços de Apoiadores:

Fusion Shuffle:  Bar criado pela Fusion para customização dos drinks.

Ray-Ban Playback Battle: Batalha de dublagem (mediada pela Penélope Nova).

Prevent Senior Body Painting Neon Galactic Glow: Pintura (com muito glitter) feita pelos make-up artists do espaço.

Espaços Lollapalooza

Lolla Lounge: Área (mais do que exclusiva) que você pode comprar ao adquirir os ingressos, e além de transfer com meeting point exclusivo, tem bar, banheiro, comidinhas e vista privilégiada para vários palcos (também ponto fácil de encontrar todos os artistas que estiverem no Lolla).

Chef’s Stage: Espaço de alimentação, com diversas opções de comidinhas adaptadas por chefes renomados (leia mais abaixo)

Lolla Market: Esqueceu alguma coisa em casa? Quer só um souvenir? Não seja por isso, de chapéus a meias, passando por acessórios, roupas e até tatuagem, você consegue comprar quase tudo aqui.

Lolla Store: Loja oficial do Lollapalooza, com camisetas de bandas e souvenirs com a logomarca.

Comida

Nesse quesito, você tem opções para todos os gostos/bolsos. A alimentação estava divida por todo o festival nas áreas próximas aos palcos, com bar e quitutes simples (hot dog, batata frita, espetinho). Havia também alguns ambulantes que passam vendendo esses mesmos quitutes (+churros, pipoca e sorvete). Na área próxima ao palco Skol, dispuseram alguns food trucks, como opções mais gourmetizadas de junk food (hamburgueres, milkshake e batatinhas), além de tapioca, temaki e suco natural. Ainda, você podia encontrar outros foodtrucks numa área próxima ao Chef’s Stage com mais opção de junk (hamburguer, pizza, etc), e algumas opções mais diferenciadas, como polenta com ragu e comida mexicana.

Chef’s Stage

insidechefsatge.jpg

Essa é a área “gastronômica” do evento, que reúne diversas barraquinhas de chefes conceituados que levam versões compactas de seus pratos famosos.

Achei todas bem parecidas (se não, iguais), às dos anos anteriores.

Das minhas escolhas no Chef’s Stage, provei nhoque ao sugo (nos dois dias, só porque nhoque é sempre a minha comida preferida), uma “mandioca rosti”, cafezinho, brownie, strogonoff e um mix de raizes fritas.

Além disso, ainda comi na área externa uma tapioca vegana – pior experiência da vida, levou 1h20min pra ficar pronta -, milkshake de ovomaltine, um milhão de sorvetes (perdi as contas, de verdade) e o tal do suco natural adoçado com caldo de cana (esse tomei várias vezes).

Transporte 

O Lolla já aconteceu no Jockey Club (na Cidade Jardim) e agora, acontece no Autódromo (em Interlagos). Para quem não é de São Paulo, falar de localização pode ser complicado. São Paulo é GIGANTE e quanto mais central as coisas são, melhor para todo mundo! Apesar do Autódromo ter um espaço maior e ser mais afastado da cidade – o que dá aquele clima de interior de outros grandes festivais (Coachella, Glastonburry, etc), pode ser bem complicado de chegar e mais ainda: complicado de sair.

autodromo
Autódromo de Interlagos

Existem basicamente as seguintes formas de chegar por lá e vou contar a minha experiência profissional em cada uma delas:

Carro: Você pode ir de carro e deixar o carro no estacionamento (por R$100). Eu nunca fui de carro (nem dirigindo e nem de carona) por diversas razões: além de não ser super barato ter que deixar o carro no estacionamento, você fica bem limitado – não pode tomar aquela cervejinha que todo mundo gosta – e ainda pega um belo de um trânsito pra sair do estacionamento. Agora, se você não bebe, vai dar carona (dividindo o valor) e ainda mora meio longe, pode ser uma opção válida.

Transporte público: Acho que a opção mais inteligente e barata. A região do autódromo tem bastante ônibus, para diversas partes da cidade (inclusive para metrôs da linha azul) e também tem a linha esmeralda de trem, a estação autódromo. Essa sempre foi a opção que usei em todas as edições passadas, principalmente o trem – que além de ser “rapidinho”, foge do trânsito. Sempre usava táxi/uber pra ir e trem pra voltar até alguma estação bem remota, onde eu conseguisse pegar outro táxi/uber. O problema: se prepare, principalmente na volta, seja ônibus ou seja de trem, saiba que o transporte na volta vai estar LOTADO.

Táxi/UBER: É a opção mais confortável de chegar e pode ser bem em conta também (se você não morar muito longe). O problema neste caso é sair do festival. Ainda não entendi porque a organização não montou um bolsão do UBER na saída (como tem em outros milhares festivais do mundo/ aeroportos). Já tentei pegar uber pra sair, e nunca consegui. Quanto ao táxi, se você sair um pouco mais cedo, talvez seja mais fácil.

Lolla Transfer: Opção até então inédita pra mim, depois de muitos anos sofrendo para sair do Autódromo meia-noite, já derrotada, esse ano comprei o Lolla Transfer nos dois dias (R$75/cada dia). Os transfers saem do WTC São Paulo (na região do Brooklin, que por sinal é super perto da minha casa) e vão direto para o Autódromo. Você compra com um horário marcado e na volta, pode pegar qualquer transfer. Eles saem do WTC de meia em meia hora (a partir das 11 da manhã) e voltam em horários marcados (Sábado: 20h30, 22h30, 00h30
e domingo: 20h30, 22h30, 23h30). Para mim, funcionou super bem, além do conforto, um bônus adicional é que você passa pela segurança numa entrada exclusiva (e sem filas!).

Preço 

Entramos num assunto polêmico. Ouvi muita, mas MUITA gente reclamando no preço. Para minha surpresa, quando cheguei lá no sábado, vi o autódromo mais lotado do que nunca, e sim, essa foi a edição recorde de lotação.

Os preços estavam mais ou menos assim (dependendo do lote):

Lollapass: R$920

Lollapass estudante: R$460

Lollalounge: Valor do ingresso + R$550/dia

Meu gasto com alimentação nos dois dias R$200

No meu caso, que paguei meia entrada tive um gasto total de R$810 (comida, ingressos e lollatransfer).importante .jpg

Essa edição foi “cashless”, ou seja, dinheiro não era usado como moeda de troca. O ingresso vinha em forma de pulseira, que deveria ser recado (em casa ou em algum dos postos no dia do evento), tornando-a assim pessoal e intransferível. Caso sobrasse algum crédito na pulseira, ao fim do evento, cada pessoa seria reembolsada.

relaxing area
Descanso nas redes ou nas cabanas

Vale a pena?

Sempre prefiro achar que música até quando é ruim é boa, então, na minha opinião, essa experiência de festival vale muito à pena. Por ter muuuitas opções, tem até aqueles que nem gostam tanto de música, mas vão para passear, provar uma gastronomia diferente, paquerar…Enfim, acho que todo mundo deveria ir neste tipo de evento, pelo menos uma vez na vida. Como já disse anteriormente, esse com certeza não foi meu Lolla preferido, mas mesmo assim, não me arrependo de ter ido.

diversidade.jpg

Posters.jpg

COMEÇANDO O DIA EM SÃO PAULO

Fim de semana ou a gente quer café na cama ou quer mesmo inovar, né? No último domingo, resolvi esbanjar e fazer um programa matinal famoso em SP, mas que eu ainda não conhecia: o tal Brunch do Emiliano.

Leia também: Brunch por aí

Leia também: TOP 3 experiências gastronômicas no Rio de Janeiro

Opção que fica entre hipster e mamãe-sou-ryca, o brunch acontece todos os finais de semana no restaurante que fica dentro do hotel Emiliano. Pra quem não conhece, o Emiliano é um tradicional e confortável (leia-se: caro) hotel que fica na famosa rua Oscar Freire,  no bairro do Jardins.O brunch, é digamos, uma opção pagável, para se ter acesso a um dos serviços do hotel.

Como funciona

Por um preço fixo, você tem acesso ao cardápio que inclui: champagne, bebidas não alcoólicas (águas e sucos), o couvert (cesta de pães e váááários acompanhamentos – que variam de manteiga a ceviche – mufins, rabanada e bolinhos fritos), prato principal e sobremesa.

Minhas escolhas

Como éramos dois, comer só o couvert já foi puxado – não sei como alguém consegue comer todos os pratos. Então, acabei optando pelo couvert, duas entradas – omelete de parmesão e sopa vichyssoise, macarrons de sobremesa, água e um suco de melancia com gengibre. Fiquei bem tentada a pedir o raviolli de bufála ao sugo, mas não cabia mais nada em mim 😦

brunch2

Quanto custa

R$179,90 (março/2017) – por pessoa.

Vale a pena?

Sim! É uma opção super gostosa, a comida é uma delícia, o serviço é ótimo e o preço, por incrível que pareça, fica bem abaixo de uma almoço completo (entrada-prato principal-sobremesa-bebida) na região dos Jardins. Acho que o passeio vale ainda mais a pena se você for com um grupo de amigos, já que 50% do menu (couvert e sobremesa) pode ser servido como degustação.

Observações

Esse brunch tem mais carinha de almoço. Então, sugiro que você marque depois do meio dia mesmo e não vá esperando opções como cappuccino, chás e geléias. Apesar do couvert ter diversos pães, os pratos principais são, basicamente, inspirações italianas – massas e algumas carnes – que fizeram a fama do restaurante do Emiliano.

Outras opções para café da manhã em São Paulo.

Nem só de ostentação o café da manhã é feito, não é mesmo? São Paulo tá cheio de restaurante para todas as opções de gosto e bolsos. Seguem os meus preferidos:

Mr. Baker – aquele pãozinho na chapa

Disparado o lugar que eu mais tomo café da manhã em SP. Fica aqui do lado de casa e como o próprio nome diz, é uma padaria. Vira e mexe, quando bate a preguiça, passo lá e pego um paozinho, super quentinho e artesanal, mas o bom mesmo é pegar uma mesinha do lado de fora, levar os amigos e o dog (eles são pet friendly) e botar a conversa em dia. Meus preferidos: o gostozo no pão francês (pãozinho na chapa com requeijão), o cappuccino com cacau e canela, ovos mexidos com queijo branco e tomate e pão multi grãos, os bolos (favoritos da vida: cenoura com ganache de chocolate, banana sem glúten e mandioca cremoso)  e os sucos. Aos domingos, é bom ir com o coração aberto: sempre tem uma fila de espera.

R. Pedroso Alvarenga, 655 – Itaim Bibi

Octavio Café – amantes de café

A fama do Octavio se dá, principalmente, pelo café que eles mesmo produzem. A unidade-sede, localizada na Faria Lima, já foi considerada a maior cafeteria da América Latina e está em uma construção tão linda, que só a arquitetura já vale a visita. Além das famosas bebidas que levam o café na composição, minhas escolhas no menu sempre incluem a tapioca, o bolo de banana integral e o parfait de iogurte. Para quem quer saber mais sobre o mundo do café, eles oferecem diversos cursos – só ficar de olho na agenda no site.

Av. Brg. Faria Lima, 2996 – Jardim Paulistano

Tea Connection – amantes de chá

Uma opção saudável e deliciosa é a casa de chá, Tea Connection. Eles servem diversos tipos de blends e infusões, que combinado com os quitutes da casa, agradam gregos e troianos. Pra quem adora um chazinho, mas não sabe muito a respeito, é uma ótima oportunidade de conhecer mais desse mundo – os cardápios são bem explicativos. Aos domingos, a partir das 11h, também é servido um brunch, com buffet e opções de chá.

Alameda Lorena, 1271 – Jardim Paulista

Frutaria São Paulo – opção saudável

Perfeito para aquele dia que você acordou com uma ressaquinha ou que só quer mesmo manter a dieta até aos finais de semana. O menu do Frutaria tem opções sem glúten, sem lactose, vegana…tem de tudo. Aos finais de semana tem também a opção de buffet, com preço fixo, que serve um pouquinho de tudo. Não deixe de provar os sucos funcionais, água de coco – servida no coco e o açaí frutaria, mais puro e com menos açúcar.

R. Bandeira Paulista, 327 – Itaim Bibi

Padoca do Maní – sempre maravilhoso

Se você está em dúvida de onde comer em São Paulo, uma coisa é certa: você nunca vai se decepcionar com nenhum dos restaurantes da rede Maní. A Padoca é só uma versão compacta (e não menos procurada) dos restaurantes da rede. Fica na mesma rua que o Maní, em Pinheiros e tem uma varandinha que é um charme. Qualquer coisa no menu vale a pena, mas não saia se experimentar a cesta de pães e um dos diversos sucos funcionais. Aos finais de semana, não são aceitas reservas, então, chegue cedo ou se prepare para esperar pelo menos, uma horinha na porta.

R. Joaquim Antunes, 138 – Pinheiros

Leia mais: Planeje sua viagem para São Paulo