Top 3: EXPERIÊNCIS GASTRONÔMICAS NO RJ

Conhecido mundialmente como “capital do Brasil” pelas belezas naturais, corpos bronzeados e o maior carnaval do mundo, o Rio de Janeiro merece muitos posts. Este é só o primeiro deles, e também a estréia da sessão Top 3 aqui do blog.

Injustamente rejeitado pela vizinha São Paulo – e capital sul-americana da gastronomia – o Rio também proporciona experiência incríveis em restaurantes ótimos e chefes premiados.

Uma prova disso é que, na lista anual publicada pela revista Restaurant com os 50 melhores da América Latina, três são cariocas. Das minhas três recomendações, duas entram nessa lista!

Está com viagem marcada e quer ter uma noite mais do que especial? Lá vão as dicas:

Olympe – 17° melhor restaurante da América Latina 

Restaurante carro chefe dos grupo Troisgros, oferece  menu convencional e menu degustação (que varia muito, mas que quando fui tinha 12 pratos), e mistura pratos clássicos brasileiros com um toque francês.

1olympe-claude-troisgros1 destemperados
Foto: Desetemperados

Encabeçado pelos irmãos Claude e Thomas Troisgros, a posição do restaurante não é a toa. O espaço pequeno e acolhedor no entorno do Jardim Botânico, point de ótimas opções alimentícias, é cheio de gringos que buscam entender um pouco mais da culinária dos chefes-estrela. Com umas dez mesas, o serviço é impecável e a comida maravilhosa, um ambiente calmo e ligeramente silencioso. O menu principial há variações, eu mesma pedi o vegetariano e provei um dos melhores nhoques que já comi nessa vida.

Definitivamente, o meu restaurante preferido no Rio.

Endereço

R. Custódio Serrão – Lagoa, Rio de Janeiro – RJ, 22470-230

Telefone: (21) 2537-8582

Aprazível – Dining with a view

Localizado no morro de Santa Tereza, cercado de natureza e com o mar ao fundo, com certeza uma das vistas mais lindas do Rio de Janeiro. Se você quer curtir um drink with a view, esse é o lugar.

A culinária é prioritariamente brasileira, mas vem de forma bem democrática. São petiscos, drinks e pratos que são servidos durante todo o dia. As estrelas do menu são, com certeza os frutos do mar, mas a minha menção de honra vai para uma entrada: o palmito assado fresco.

palmito
Palmito assado dos deuses
upload_-1(26)
Baião de dois: sorvete de tapioca com calda de açaí

Endereço

Endereço: R. Aprazível, 62 – Santa Teresa, Rio de Janeiro – RJ, 20241-270

Telefone: (21) 2508-9174

Translado: Por estar localizado no topo de Santa Tereza, sair do restaurante pode ser bem complicado se você estiver dependente de táxi/Uber – afinal, além de estar super isolado, o acesso à internet é bem escasso. Pensando nisso, o restaurante oferece um translado. Para reservar na ida também, só clicar aqui. Na volta, embora seja sugerido também ter reserva, eu consegui um disponível na saída do restaurante.

Lasai – 18° melhor restaurante da América Latina

Imagine a seguinte situação: você acabou de aterrizar no Brasil e não tem ideia do que está fazendo aqui, como se vive, o que se come. Imaginou? Pois bem, neste caso eu recomendaria a você parar no Lasai antes de fazer qualquer outra coisa no país. Do chefe Rafa Costa e Silva, um carioca cheio de inspirações mundanas, acho que é o restaurante que mais resume a culinária brasileira, feito com ingredientes orgânicos – sim, eles têm duas hortas – e totalmente cotidianos. Sem frescura mesmo, sabe? Pão de queijo, goiabada, queijo curado…coisa que todo brasileiro, em qualquer parte do país, já comeu. E mais: conseguiram fazer isso dentro de um menu degustação, sem ficar chato e com muita, mas muita comida (eu já estava sem fôlego quando chegou a hora da sobremesa – as porções são bem fartas).

lasai
Parte do menu: para se comer ajoelhado

Endereço

Rua Conde de Irajá, 191 – Botafogo, Rio de Janeiro – RJ, 22271-020

Telefone: (21) 3449-1854

Importante: Por serem sempre bem concorridos, vale lembrar que é interessante reservar com alguma antecedência, especialmente o Olympe que não tem muitas mesas.

A COWPARADE RETORNA A SÃO PAULO, COLORIDA E DIVERTIDA COMO SEMPRE

“É o maior e mais bem sucedido evento de arte pública no mundo.”

É assim que a CowParade Brasil se apresenta na página oficial. Em sua 10ª edição, ela retorna a São Paulo com a temática “Uma viagem pelo mundo” – bem coerente com a ideia de celebrar o aniversário de uma década do evento.

Desta vez, artistas convidados usam a escultura da vaca como base para homenagear uma das 45 cidades onde já aconteceu a exposição.

Tudo começou com esculturas em formato de vaca produzidas pelo artista suíço Pascal Knapp, em 1998, com a intenção de provocar o riso. Em 2000, os direitos das esculturas foram comprados e surgiu a CowParade Holdings Inc. Mais de 5 mil esculturas foram criadas desde esta nova fase.

Como o próprio artista desejava desde o princípio, o divertimento e o riso são parceiros desta arte. Não dá para evitar dizer que encontrar com estas vaquinhas pela cidade é, no mínimo, inusitado. Muitas vezes, em outras edições, me perguntei o motivo da escolha deste animal e qual a relação dele com os temas e o público. Curiosamente, a resposta pode ser encontrada no próprio site da organização:

“Por que vacas? Há algo de mágico com a vaca. Ela representa coisas diferentes para pessoas diferentes ao redor do mundo: é sagrada, é histórica, mas o sentimento comum é de carinho. Ela simplesmente faz todos sorrirem.”

As vacas podem estar em três poses: em pé, pastando e repousando. Sua forma oferece ângulos e curvas que originam uma tela tridimensional única para os artistas.

São Paulo, a cidade amante da arte de rua, das intervenções e ocupações criativas, das cores e da integração de culturas, não podia deixar de receber esta exposição divertida e popular.

Ficou curioso? Desde o dia 26 de abril, espalhadas pela cidade, você tem a chance de encontrar algumas delas pelo caminho ou, se preferir, ir até seu encontro:

Mais informações e “Mapa das vacas” disponíveis em: www.cowparade.com.br/

TEXAS E OS COWBOYS

O título, meramente irônico, serve para ilustrar como me senti quando descobri que iria para o Texas. A primeira coisa que pensei, foi de fato, nos Cowboys, e só reforcei essa ideia quando, ainda na imigração, respondi ao oficial que estava indo para San Antonio e ele, depois de um risinho soltou um “ye-haaa”.

Tinha exatos 8 dias – que não acho que foram tão bem divididos assim – para passar por 3 cidades: Austin, San Marcos e San Antonio.

Expectativa x realidade

Austin:

Com certeza uma das minhas cidades preferidos nos EUA! Minha expectativa, que já era alta, foi superada pelo pouco tempo que passei na cidade. Infelizmente, peguei um super frio, o que me desanima muito. A cidade é super arborizada e tem várias áreas abertas de lazer, como ciclovias e parques – o que me motiva muito a voltar no verão. É lá também que fica o campus da Universidade do Texas, uma das grandes Universidades americanas, e como acontece em toda cidade universitária, tem uma atmosfera super jovem e festeira. Em toda esquina você cruza algum barzinho ou restaurante, na sexta avenida (a Vila Madalena deles), vários bares agitam a vida noturna, e em qualquer buraco que você se meta, tem alguma música boa acontecendo (não importa se você tá no bar ou no mercado: a cidade é muito musical!). Não bastassem todos esses motivos, Austin também sedia o SXSW, um evento gigante que acontece todo ano em meados de março e junta tecnologia, business e cultura em diversos espaços pela cidade.

San Marcos

Passei apenas uma tarde na cidade e acabei parando por curiosidade, estava totalmente fora do meu roteiro original. Minha impressão? Até agora, melhor lugar para fazer compras nos EUA. Os outlets são tão maravilhosos e com preços tão atrativos como os da Florida, porém sem a muvuca dos arredores de Orlando. Se estiver passando por lá, pare.

San Antonio

Não sabia muito bem o que esperar de San Antonio além do Alamo, então tudo o que eu vi/fiz na cidade, foi novidade. Além de ser um lugar cheio de história, a cidade é linda e o povo, super solicito. Se tiver oportunidade de ir, vá. Acho que até 3 dias na cidade é suficiente.

Roteiro:

Dia 1 {sábado} – Chegada

Cheguei no Texas pelo Aeroporto de San Antonio, de Delta, mas saindo do Brasil existem vôos direto paras Dallas e Houston pela American. Optei descer em San Antonio porque era a cidade que ficaria mais tempo e na hora de voltar, seria mais prático. O voo atrasou super e acabei chegando pela noite e super cansada. Não deu ânimo de fazer nada além de pegar o carro e dirigir para Austin (pouco mais de uma hora de viagem). Em Austin, fiquei no Kimpton, num quarto no canto no nono andar, com uma vista mais do que privilegiada.

Dia 2 {domingo} – Austin + Lake Travis

Esse era o único dia inteiro que teria em Austin, e por isso, tentei extrair o máximo da cidade. Confesso que a temperatura tava desanimadora (que chegou a -2C). Ainda assim, acordei animada, tomei café no restaurante do próprio hotel, o Geraldine’s, e parti em rumo à primeira parada: o Graffiti Park.

ImageResizer.net - 8kfewtyygn8m2vl (1).jpg
Café da manhã do Geraldine’s

Dica: Se você se hospedar no Kimpton, o restaurante à noite funciona como bar e tem música ao vivo de qualidade praticamente todos os dias – na noite anterior, uma banda de jazz tinha tocado. O atendimento é ótimo e a comida é maravilhosa. Imperdível.

IMG_20170108_130716006

O Graffiti Park é um museu a céu aberto, onde os grafites são feitos pelos visitantes. Fica numa área meio escondidinha e apesar de ser uma visita rápida, vale a pena para tirar fotos.

Dica: Se quiser deixar sua marca nas paredes do Grafitti Park, não se esqueça de levar tinta em spray. O lugar é super democrático e qualquer um pode interagir com as paredes.

Depois da rápida parada para fotos no Grafitti Park, incluí no roteiro um passeio que não planejava, mas que é clássico e vale super a pena: o Capitólio

IMG_20170108_132918904

O Capitólio é a sede do governo no Texas, e é o segundo maior dos EUA (perdendo somente para o de Washington!). O lugar é lindo (tanto a área externa quanto o interior do prédio) e nos primeiros andares funcionam como um museu, com imagens e história de todo mundo que passou por ali (como George W Bush, que governou o Estado de 1995 a 2000).

E já estava na sede da Universidade do Texas, por que não dar um pulinho lá?

universidade do texas
Foto: Universidade do Texas

Amo visitar campus e achei que seria uma boa, já que além de tudo, era fim de semana e o último das férias escolares, o que deixaria tudo bem mais calmo para a minha visita.

E por fim, um pulinho para visitar o Blantom Museum of Art (que fica dentro da Universidade) e tomar um cafezinho – já que acabei pulando o almoço.

ImageResizer.net - r01r7r2tr1ec8gl.jpg
Foto: Blanton Museum of Art

Dica: Se você tiver um tempinho, do outro lado da rua está o Bullock, um museu da história do Texas e que parecer ser super interessante. Infelizmente não consegui ir, mas diversos amigos americanos me recomendaram esse passeio.

De lá, arrisquei fazer uma viagem para os arredores de Austin (que durou cerca de uma hora) e fui até o condado de Travis, visitar o famoso Lake Travis, um reservatório formado pelo Rio Colorado, o maior rio do Texas e o décimo oitavo maior dos EUA.

Durante o verão, acontecem várias atividades no lago, mas como neste dia estava extremamente frio, só consegui mesmo tirar umas fotos e ir embora. A entrada custou U$10.

IMG_20170108_172746909.jpg
Lake Travis

O lugar é lindo, mas se você, assim como eu, estiver atrás apenas de um cenário bonito para as fotos, sugiro que você pare em algum restaurante ou morro da região, ao invés e de pagar para ir até o lago.

Saindo de lá, fui almoçar no The Oasis, que fica bem em cima do lago e tem uma vista maravilhosa. O restaurante é mexicano, então se você, assim como eu, não tem muita tolerância para pimenta, é bom avisá-los: pouca pimenta ainda vai ser muita pimenta, e no Texas, eles levam esse negócio de pimenta mais a sério que em qualquer outro lugar dos EUA.

Hora de pegar a estrada de volta pra Downtown e como já era noite, uma paradinha no Whole Foods. Além de ser meu supermercado preferido no mundo, a unidade que fica no Lamar Blvd (entre a 5th e a 6th avenida) foi a primeira dos EUA. Sim, o Whole Foods nasceu em Austin! O mercado é enorme e além de todas as opções naturebas, tem vários corners que funcionam como restaurantes e dá pra comer por lá ou pedir para levar. Fui no restaurante asiático e pedi um lamen para viagem e foi um dos melhores que comi na vida.

ImageResizer.net - 8rm8ubu4h1a8p3l
Foto: Whole Foods Market

Já sem coragem e morrendo de frio, terminei minha noite comendo meu lamen, embaixo do cobertor no hotel.

Dia 3 {segunda} – Outlets de San Marcos

Depois de acordar e tomar uma café da manhã reforçado no Cenote’s (uns 5 minutos andando a partir do hotel), hora de fazer check-out e partir para San Antonio.

Mas antes, uma paradinha em San Marcos!

San Marcos é uma cidadezinha que fica exatamente no meio do caminho entre Austin e San Antonio e que, apesar do tamanho, aparece quase todo ano listada em alguma publicação importante como uma das melhores cidades para se viver nos EUA.

Acabei não conhecendo a cidade porque passei o dia nos Outlets (Premium Outlets e Tanger, um em frente ao outro).

san-marcos-premium-outlets-19
Photo: Premium Outlets

Já cheia de sacolas, segui viagem para San Antonio.

Até quinta-feira fiquei hospedada no Hyatt Regency, uma espécie de hotel fazenda, que fica a uns 20km do centro da cidade.

Dia 4 {terça-feira}, dia 5{quarta-feira}, dia 6 {quinta-feira} – Rancho em San Antonio

Interessante a experiência de ficar 4 dias em um Rancho no Texas. Nestes dias, fiquei trabalhando no hotel, onde dividi meu tempo em:  trabalho, dormir, comer e ficar no spa, haha. Fiz todos os possíveis tratamentos no spa! O lugar é uma delícia e tem parque aquático, 3 restaurantes (um deles estava em reforma quando estive lá), lojinhas, trilhas pelo hotel, quadra de golfe e…spa (rs).

Mesmo que longe do centro, a uma curta distância de carro dá para encontrar os clássicos americanos, como Walgreen’s, Target, etc. Como gastei minha cota (e paciência em compras nos Outlets), tirei esses dias para aproveitar o hotel.

Dica: No verão, as opções de diversão são muito maiores. No hotel, por exemplo, o complexo aquático estava fechado no inverno. Outra atração ali pertinho, o SeaWorld, também não abre no inverno.

Dia 6 {sexta-feira} – Downtown San Antonio

mapa alamo
Foto: Site Oficial

Hora de fazer as malas, deixar o rancho pra trás e conhecer San Antonio de verdade. Migrei para o Hotel Contessa, que fica na River Walk e que foi por onde comecei o passeio.

ImageResizer.net - uqoi2g2nw43gybq.jpg
River Walk

A River Walk é uma região que fica à margem do rio (por isso, esse nome) cheia de lojinhas, hotéis e restaurantes. Após uma curta caminhada, estávamos no Alamo.

ImageResizer.net - eiyiol5c81t6z2l.jpg
Alamo

O Alamo, que hoje funciona como museu, foi o local de uma das expedições missionárias que aconteceram na região e que, no século XIX presenciou uma tomada mexicana que dizimou milhares de soldados e que culminou com a independência do Texas, que até então fazia parte do México. É um passeio indispensável para entender um pouco da anexação do Texas aos Estados Unidos.

Como parte da minha adoração por arranha-céus, saindo do Alamo dei uma caminhada até o Tower of Americas.

ImageResizer.net - 55fbki3k259roy7
Tower of Americas

Não achei imperdível, mas a minha sugestão caso você queira muito fazer, é deixar para o fim da tarde, já que além de ver o pôr do sol, dá para jantar no restaurante que fica no último andar.

Voltando para a River Walk, comecei a noite no passeio de barco.

ImageResizer.net - q6aj085qh7yxpd9.jpg

O passeio dura mais ou menos uns quarenta minutos e custa U$10. Apesar de acompanhar um guia que faz a narração, achei bem complicado entender o que ele estava falando por causa do barulho nos arredores. De qualquer forma, super recomendo.

E por fim, já morta com farofa, fui para o restaurante do hotel comer maravilhosos nhoques (porque nhoque a gente come em qualquer lugar do mundo) e dormir.

Dia 7 {sábado}: Volta ao Brasil

Dia de correr para o Dunkin Donuts para um rápido café da manhã e preparar a volta ao Brasil. Partindo de San Antonio, tive uma conexão em Atlanta e 9h depois, cá estava em São Paulo!

Importante! 

Clima: Não se engane quando alguém falar que não faz frio no Texas. De dezembro a fevereiro faz frio sim, especialmente em Austin. Em San Antonio a temperatura esteve agradável na maior parte do tempo (entre 15 e 22 graus Celsius). Quanto ao verão, não posso afirmar, mas já ouvi que é um calor insuportavelmente quente. Se puder, assim como em qualquer lugar do mundo, tente viajar em estações amenas (primavera/outono).

Mais um detalhe que me chamou atenção foi a alta de pólen no período que estive por lá, no fim do inverno. Nunca tinha sentido isso, mas é uma alergia eterna. Se você, assim como eu também é cheio dos ites, muito provavelmente não se adaptará muito bem a esse período.

Transporte: Não pesquisei muito sobre transporte público, mas acho que ter um carro alugado é a opção mais viável, principalmente se você quiser viajar entre as cidades. Vale ficar atento que em Austin, o Uber foi suspenso. Então, o jeito vai ser pegar táxi. Em San Antonio, ficando na Downtown dá para fazer tudo a pé.

Comida: Como em todas as grandes capitais, as opções de alimentação são bem democráticas, mas vale ficar atento às opções em cidades menores do Texas que oferecem basicamente comida Tex-Mex, que para muita gente é maravilhosa, mas eu odiei, rs. Em Austin a oferta era ótima, inclusive com opções vegetarianas em quase todos os lugares.

Custo geral: $$(barato)

BUENOS AIRES E O ELTON JOHN QUE NÃO ACONTECEU

Na última sexta-feira, peguei a minha malinha e embarquei para mais uma aventura no país do doce de leite. E olha, dessa vez foi uma aventura mesmo!

buenos collage
Minha Buenos Aires

Eu quase posso dizer que absolutamente tudo deu errado, mas no fim deu certo.

Vocês sabem como funciona né?

Buenos Aires para mim (e para muitos brasileiros) não é mais novidade, afinal, o turismo na capital é intenso. Uma cultura totalmente diferente, muita comida boa e câmbio quase sempre favorável, ajuda bastante nesse intercâmbio. O que acontece é que depois de repetidas idas para a capital porteña, sempre rola aquele desespero do que fazer.

comidinhas buenos
Na dúvida, melhor comer

Desta vez, tive um desafio ainda maior: o que fazer (além de comer) em Buenos na chuva. E quando eu falo chuva, não é garoa. Com planos de ficar uns 4 dias na cidade, posso dizer que 3 deles foram de chuvas intensas.

Uma das razões, inclusive, de fazer essa viagem, era assistir Elton John e James Taylor juntinhos – sim, não consegui vê-los em São Paulo – e por fim, o show foi cancelado por causa da…CHUVA.

chuva buenos
A maior chuva que você respeita

Abaixo, segue uma listinha de passeios clássicos e não tão óbvios para se fazer em BsAs nos dias de chuva.

Para comer

Fiquei hospedada em Palermo – que já é um adianto na hora de pensar em comida. Isso porque a região é super famosa pelos bares e restaurantes. Tem alguns cantinhos que são imperdíveis e sempre dou um pulo quando estou em Palermo. São eles:

Fifi Almacén: Meu cantinho preferido para encontrar comida saudável com MUITA opção vegana/vegetariana. Os sucos são maravilhosos! Desta vez, pedi uma arepa que estava de tirar o fôlego, super quentinha e macia. Só amor!

Full City Cafe: Café colombiano que faz você se sentir em qualquer lugar, menos na Argentina haha. O menu, os garçons e praticamente todos os clientes adotaram o inglês como primeira língua. Os cafés são deliciosos, assim como todos os acompanhamentos.

full city.jpg
Café para todos os gostos no Full City

Ninina Bakery: Uma das padarias mais lindas que já estive nessa vida ♥! A decoração é maravilhosa, e se isso não fosse suficiente, eles tem um dos melhores brunchs que já experimentei nos últimos meses (e olha que vou a brunchs todos os finais de semana!). Ah, uma vantagem indiscutível: eles ficam aberto até 1am! Ótimo para quando você está indo dormir mas lembra que sempre tem espaço para mais uma medialuna.

brunch ninina
O brunch do Ninina

 

Entre a região de Palermo e Villa Crespo fica a Plaza Armenia, região onde se instalam diversos restaurantes armênios na cidade. Buenos Aires é na América Latina a cidade que mais recebeu imigrantes armênios no século passado. Essa pode ser uma ótima oportunidade de passear pela região e comer a comida local.

Para comprar

Paul French Gallery: Uma casa conceito que, assim como uma galeria, está toda disponível à venda. Acho os utensílios para cozinha e decoração em geral, imperdíveis. Tem também uma Paul Gallery em Punta del Este (lá é a Paul Beach House) e eu desaconselho fortemente a visita: os preços são extremamente abusivos (umas 10x o valor das coisas da loja em Buenos Aires) e cobrados em dólar (como em praticamente todas as lojas de Punta).

Tealosophy: Para quem, assim como eu, ama chá, é uma visita mais que necessária. Você encontra todos os blends possíveis com uma explicação tão didática que qualquer leigo consegue aprender um pouco mais desse universo.

Kioskos: A cada esquina da cidade você encontra os famosos kioskos, que nada mais são que conveniências para você comprar um snack. Para quem adora compra alfajor, biscoitos e chocolates locais, é uma alternativa fácil e barata de trazer um docinho de souvenir para todo mundo.

milka
Paradinha no kiosko

Shoppings: Não sou muito fã de shoppings, mas dessa vez precisei dar um pulo em um para comprar umas coisas que tinha esquecido. Fui ao Alto Palermo e além de ser uma ótima opção por concentrar diversas marcas locais, também tem um Cinemark enorme, que é uma ótima opção para matar umas horas chuvosas e de brinde, praticar o español.

Artsy:

O bairro por si só já é pra lá de artístico. Gente tocando nas ruas, feiras e muitas (mas muitas) galerias. Dessa vez, não consegui ir em nenhuma, mas o passeio que sempre recomendo é a ida ao MALBA que por mais clichê que seja, sempre tem alguma coisa acontecendo. Dessa vez, a expo era do projeto canadense General Idea, mas o acervo está sempre à disposição com muita coisa legal de América Latina – Tarsila do Amaral, Frida, Diego Riviera, Oiticica, entre outros. A arquitetura também é linda e sempre me lembra um pouco do MOMA, em NYC.

Onde dormir

Existem diversas opções de onde passar a noite. Nas minhas experiências mais recentes (inclusive nesta última), fiquei na região de Palermo Soho, famosa pelos hotéis boutiques. Me hospedei no Mine e vou contar tudo no próximo post.

Blogs favoritos

Tem alguns blogs que sempre dou uma olhada antes de dar um pulinho ali em Buenos. São eles:

Buenos Aires para Chicas: Projeto da Amanda Mormito, brasileira que morou por uma década em Buenos Aires e conhece bem cada cantinho. O blog foi descontinuado em 2015 quando ela voltou para o Brasil. Atualmente, Amanda mora em Singapura e segue dando dicas de viagens no blog Casa que Viaja.

Aires Buenos: Blog do brasileiro Túlio Pires Bragança, que além de manter o blog super em dia, ainda tem um canal e um tour (que estou louca para fazer mas ainda não consegui)

Aquí me quedo:  Também idealizado pela comunidade brasileira em BsAs, desta vez pela brasileira Gisele Teixeira, jornalista que gerencia esse blog super completo que foi considerado de Interesse Cultural pela Legislatura Portenha em 2015. Sempre atualizado e com dicas bem completas, vale muito a pena para conhecer uma Buenos menos óbvia.

Custo geral: $$(barato)

COMEÇANDO O DIA EM SÃO PAULO

Fim de semana ou a gente quer café na cama ou quer mesmo inovar, né? No último domingo, resolvi esbanjar e fazer um programa matinal famoso em SP, mas que eu ainda não conhecia: o tal Brunch do Emiliano.

Leia também: Brunch por aí

Leia também: TOP 3 experiências gastronômicas no Rio de Janeiro

Opção que fica entre hipster e mamãe-sou-ryca, o brunch acontece todos os finais de semana no restaurante que fica dentro do hotel Emiliano. Pra quem não conhece, o Emiliano é um tradicional e confortável (leia-se: caro) hotel que fica na famosa rua Oscar Freire,  no bairro do Jardins.O brunch, é digamos, uma opção pagável, para se ter acesso a um dos serviços do hotel.

Como funciona

Por um preço fixo, você tem acesso ao cardápio que inclui: champagne, bebidas não alcoólicas (águas e sucos), o couvert (cesta de pães e váááários acompanhamentos – que variam de manteiga a ceviche – mufins, rabanada e bolinhos fritos), prato principal e sobremesa.

Minhas escolhas

Como éramos dois, comer só o couvert já foi puxado – não sei como alguém consegue comer todos os pratos. Então, acabei optando pelo couvert, duas entradas – omelete de parmesão e sopa vichyssoise, macarrons de sobremesa, água e um suco de melancia com gengibre. Fiquei bem tentada a pedir o raviolli de bufála ao sugo, mas não cabia mais nada em mim 😦

brunch2

Quanto custa

R$179,90 (março/2017) – por pessoa.

Vale a pena?

Sim! É uma opção super gostosa, a comida é uma delícia, o serviço é ótimo e o preço, por incrível que pareça, fica bem abaixo de uma almoço completo (entrada-prato principal-sobremesa-bebida) na região dos Jardins. Acho que o passeio vale ainda mais a pena se você for com um grupo de amigos, já que 50% do menu (couvert e sobremesa) pode ser servido como degustação.

Observações

Esse brunch tem mais carinha de almoço. Então, sugiro que você marque depois do meio dia mesmo e não vá esperando opções como cappuccino, chás e geléias. Apesar do couvert ter diversos pães, os pratos principais são, basicamente, inspirações italianas – massas e algumas carnes – que fizeram a fama do restaurante do Emiliano.

Outras opções para café da manhã em São Paulo.

Nem só de ostentação o café da manhã é feito, não é mesmo? São Paulo tá cheio de restaurante para todas as opções de gosto e bolsos. Seguem os meus preferidos:

Mr. Baker – aquele pãozinho na chapa

Disparado o lugar que eu mais tomo café da manhã em SP. Fica aqui do lado de casa e como o próprio nome diz, é uma padaria. Vira e mexe, quando bate a preguiça, passo lá e pego um paozinho, super quentinho e artesanal, mas o bom mesmo é pegar uma mesinha do lado de fora, levar os amigos e o dog (eles são pet friendly) e botar a conversa em dia. Meus preferidos: o gostozo no pão francês (pãozinho na chapa com requeijão), o cappuccino com cacau e canela, ovos mexidos com queijo branco e tomate e pão multi grãos, os bolos (favoritos da vida: cenoura com ganache de chocolate, banana sem glúten e mandioca cremoso)  e os sucos. Aos domingos, é bom ir com o coração aberto: sempre tem uma fila de espera.

R. Pedroso Alvarenga, 655 – Itaim Bibi

Octavio Café – amantes de café

A fama do Octavio se dá, principalmente, pelo café que eles mesmo produzem. A unidade-sede, localizada na Faria Lima, já foi considerada a maior cafeteria da América Latina e está em uma construção tão linda, que só a arquitetura já vale a visita. Além das famosas bebidas que levam o café na composição, minhas escolhas no menu sempre incluem a tapioca, o bolo de banana integral e o parfait de iogurte. Para quem quer saber mais sobre o mundo do café, eles oferecem diversos cursos – só ficar de olho na agenda no site.

Av. Brg. Faria Lima, 2996 – Jardim Paulistano

Tea Connection – amantes de chá

Uma opção saudável e deliciosa é a casa de chá, Tea Connection. Eles servem diversos tipos de blends e infusões, que combinado com os quitutes da casa, agradam gregos e troianos. Pra quem adora um chazinho, mas não sabe muito a respeito, é uma ótima oportunidade de conhecer mais desse mundo – os cardápios são bem explicativos. Aos domingos, a partir das 11h, também é servido um brunch, com buffet e opções de chá.

Alameda Lorena, 1271 – Jardim Paulista

Frutaria São Paulo – opção saudável

Perfeito para aquele dia que você acordou com uma ressaquinha ou que só quer mesmo manter a dieta até aos finais de semana. O menu do Frutaria tem opções sem glúten, sem lactose, vegana…tem de tudo. Aos finais de semana tem também a opção de buffet, com preço fixo, que serve um pouquinho de tudo. Não deixe de provar os sucos funcionais, água de coco – servida no coco e o açaí frutaria, mais puro e com menos açúcar.

R. Bandeira Paulista, 327 – Itaim Bibi

Padoca do Maní – sempre maravilhoso

Se você está em dúvida de onde comer em São Paulo, uma coisa é certa: você nunca vai se decepcionar com nenhum dos restaurantes da rede Maní. A Padoca é só uma versão compacta (e não menos procurada) dos restaurantes da rede. Fica na mesma rua que o Maní, em Pinheiros e tem uma varandinha que é um charme. Qualquer coisa no menu vale a pena, mas não saia se experimentar a cesta de pães e um dos diversos sucos funcionais. Aos finais de semana, não são aceitas reservas, então, chegue cedo ou se prepare para esperar pelo menos, uma horinha na porta.

R. Joaquim Antunes, 138 – Pinheiros

Leia mais: Planeje sua viagem para São Paulo