TEXAS E OS COWBOYS

O título, meramente irônico, serve para ilustrar como me senti quando descobri que iria para o Texas. A primeira coisa que pensei, foi de fato, nos Cowboys, e só reforcei essa ideia quando, ainda na imigração, respondi ao oficial que estava indo para San Antonio e ele, depois de um risinho soltou um “ye-haaa”.

Tinha exatos 8 dias – que não acho que foram tão bem divididos assim – para passar por 3 cidades: Austin, San Marcos e San Antonio.

Expectativa x realidade

Austin:

Com certeza uma das minhas cidades preferidos nos EUA! Minha expectativa, que já era alta, foi superada pelo pouco tempo que passei na cidade. Infelizmente, peguei um super frio, o que me desanima muito. A cidade é super arborizada e tem várias áreas abertas de lazer, como ciclovias e parques – o que me motiva muito a voltar no verão. É lá também que fica o campus da Universidade do Texas, uma das grandes Universidades americanas, e como acontece em toda cidade universitária, tem uma atmosfera super jovem e festeira. Em toda esquina você cruza algum barzinho ou restaurante, na sexta avenida (a Vila Madalena deles), vários bares agitam a vida noturna, e em qualquer buraco que você se meta, tem alguma música boa acontecendo (não importa se você tá no bar ou no mercado: a cidade é muito musical!). Não bastassem todos esses motivos, Austin também sedia o SXSW, um evento gigante que acontece todo ano em meados de março e junta tecnologia, business e cultura em diversos espaços pela cidade.

San Marcos

Passei apenas uma tarde na cidade e acabei parando por curiosidade, estava totalmente fora do meu roteiro original. Minha impressão? Até agora, melhor lugar para fazer compras nos EUA. Os outlets são tão maravilhosos e com preços tão atrativos como os da Florida, porém sem a muvuca dos arredores de Orlando. Se estiver passando por lá, pare.

San Antonio

Não sabia muito bem o que esperar de San Antonio além do Alamo, então tudo o que eu vi/fiz na cidade, foi novidade. Além de ser um lugar cheio de história, a cidade é linda e o povo, super solicito. Se tiver oportunidade de ir, vá. Acho que até 3 dias na cidade é suficiente.

Roteiro:

Dia 1 {sábado} – Chegada

Cheguei no Texas pelo Aeroporto de San Antonio, de Delta, mas saindo do Brasil existem vôos direto paras Dallas e Houston pela American. Optei descer em San Antonio porque era a cidade que ficaria mais tempo e na hora de voltar, seria mais prático. O voo atrasou super e acabei chegando pela noite e super cansada. Não deu ânimo de fazer nada além de pegar o carro e dirigir para Austin (pouco mais de uma hora de viagem). Em Austin, fiquei no Kimpton, num quarto no canto no nono andar, com uma vista mais do que privilegiada.

Dia 2 {domingo} – Austin + Lake Travis

Esse era o único dia inteiro que teria em Austin, e por isso, tentei extrair o máximo da cidade. Confesso que a temperatura tava desanimadora (que chegou a -2C). Ainda assim, acordei animada, tomei café no restaurante do próprio hotel, o Geraldine’s, e parti em rumo à primeira parada: o Graffiti Park.

ImageResizer.net - 8kfewtyygn8m2vl (1).jpg
Café da manhã do Geraldine’s

Dica: Se você se hospedar no Kimpton, o restaurante à noite funciona como bar e tem música ao vivo de qualidade praticamente todos os dias – na noite anterior, uma banda de jazz tinha tocado. O atendimento é ótimo e a comida é maravilhosa. Imperdível.

IMG_20170108_130716006

O Graffiti Park é um museu a céu aberto, onde os grafites são feitos pelos visitantes. Fica numa área meio escondidinha e apesar de ser uma visita rápida, vale a pena para tirar fotos.

Dica: Se quiser deixar sua marca nas paredes do Grafitti Park, não se esqueça de levar tinta em spray. O lugar é super democrático e qualquer um pode interagir com as paredes.

Depois da rápida parada para fotos no Grafitti Park, incluí no roteiro um passeio que não planejava, mas que é clássico e vale super a pena: o Capitólio

IMG_20170108_132918904

O Capitólio é a sede do governo no Texas, e é o segundo maior dos EUA (perdendo somente para o de Washington!). O lugar é lindo (tanto a área externa quanto o interior do prédio) e nos primeiros andares funcionam como um museu, com imagens e história de todo mundo que passou por ali (como George W Bush, que governou o Estado de 1995 a 2000).

E já estava na sede da Universidade do Texas, por que não dar um pulinho lá?

universidade do texas
Foto: Universidade do Texas

Amo visitar campus e achei que seria uma boa, já que além de tudo, era fim de semana e o último das férias escolares, o que deixaria tudo bem mais calmo para a minha visita.

E por fim, um pulinho para visitar o Blantom Museum of Art (que fica dentro da Universidade) e tomar um cafezinho – já que acabei pulando o almoço.

ImageResizer.net - r01r7r2tr1ec8gl.jpg
Foto: Blanton Museum of Art

Dica: Se você tiver um tempinho, do outro lado da rua está o Bullock, um museu da história do Texas e que parecer ser super interessante. Infelizmente não consegui ir, mas diversos amigos americanos me recomendaram esse passeio.

De lá, arrisquei fazer uma viagem para os arredores de Austin (que durou cerca de uma hora) e fui até o condado de Travis, visitar o famoso Lake Travis, um reservatório formado pelo Rio Colorado, o maior rio do Texas e o décimo oitavo maior dos EUA.

Durante o verão, acontecem várias atividades no lago, mas como neste dia estava extremamente frio, só consegui mesmo tirar umas fotos e ir embora. A entrada custou U$10.

IMG_20170108_172746909.jpg
Lake Travis

O lugar é lindo, mas se você, assim como eu, estiver atrás apenas de um cenário bonito para as fotos, sugiro que você pare em algum restaurante ou morro da região, ao invés e de pagar para ir até o lago.

Saindo de lá, fui almoçar no The Oasis, que fica bem em cima do lago e tem uma vista maravilhosa. O restaurante é mexicano, então se você, assim como eu, não tem muita tolerância para pimenta, é bom avisá-los: pouca pimenta ainda vai ser muita pimenta, e no Texas, eles levam esse negócio de pimenta mais a sério que em qualquer outro lugar dos EUA.

Hora de pegar a estrada de volta pra Downtown e como já era noite, uma paradinha no Whole Foods. Além de ser meu supermercado preferido no mundo, a unidade que fica no Lamar Blvd (entre a 5th e a 6th avenida) foi a primeira dos EUA. Sim, o Whole Foods nasceu em Austin! O mercado é enorme e além de todas as opções naturebas, tem vários corners que funcionam como restaurantes e dá pra comer por lá ou pedir para levar. Fui no restaurante asiático e pedi um lamen para viagem e foi um dos melhores que comi na vida.

ImageResizer.net - 8rm8ubu4h1a8p3l
Foto: Whole Foods Market

Já sem coragem e morrendo de frio, terminei minha noite comendo meu lamen, embaixo do cobertor no hotel.

Dia 3 {segunda} – Outlets de San Marcos

Depois de acordar e tomar uma café da manhã reforçado no Cenote’s (uns 5 minutos andando a partir do hotel), hora de fazer check-out e partir para San Antonio.

Mas antes, uma paradinha em San Marcos!

San Marcos é uma cidadezinha que fica exatamente no meio do caminho entre Austin e San Antonio e que, apesar do tamanho, aparece quase todo ano listada em alguma publicação importante como uma das melhores cidades para se viver nos EUA.

Acabei não conhecendo a cidade porque passei o dia nos Outlets (Premium Outlets e Tanger, um em frente ao outro).

san-marcos-premium-outlets-19
Photo: Premium Outlets

Já cheia de sacolas, segui viagem para San Antonio.

Até quinta-feira fiquei hospedada no Hyatt Regency, uma espécie de hotel fazenda, que fica a uns 20km do centro da cidade.

Dia 4 {terça-feira}, dia 5{quarta-feira}, dia 6 {quinta-feira} – Rancho em San Antonio

Interessante a experiência de ficar 4 dias em um Rancho no Texas. Nestes dias, fiquei trabalhando no hotel, onde dividi meu tempo em:  trabalho, dormir, comer e ficar no spa, haha. Fiz todos os possíveis tratamentos no spa! O lugar é uma delícia e tem parque aquático, 3 restaurantes (um deles estava em reforma quando estive lá), lojinhas, trilhas pelo hotel, quadra de golfe e…spa (rs).

Mesmo que longe do centro, a uma curta distância de carro dá para encontrar os clássicos americanos, como Walgreen’s, Target, etc. Como gastei minha cota (e paciência em compras nos Outlets), tirei esses dias para aproveitar o hotel.

Dica: No verão, as opções de diversão são muito maiores. No hotel, por exemplo, o complexo aquático estava fechado no inverno. Outra atração ali pertinho, o SeaWorld, também não abre no inverno.

Dia 6 {sexta-feira} – Downtown San Antonio

mapa alamo
Foto: Site Oficial

Hora de fazer as malas, deixar o rancho pra trás e conhecer San Antonio de verdade. Migrei para o Hotel Contessa, que fica na River Walk e que foi por onde comecei o passeio.

ImageResizer.net - uqoi2g2nw43gybq.jpg
River Walk

A River Walk é uma região que fica à margem do rio (por isso, esse nome) cheia de lojinhas, hotéis e restaurantes. Após uma curta caminhada, estávamos no Alamo.

ImageResizer.net - eiyiol5c81t6z2l.jpg
Alamo

O Alamo, que hoje funciona como museu, foi o local de uma das expedições missionárias que aconteceram na região e que, no século XIX presenciou uma tomada mexicana que dizimou milhares de soldados e que culminou com a independência do Texas, que até então fazia parte do México. É um passeio indispensável para entender um pouco da anexação do Texas aos Estados Unidos.

Como parte da minha adoração por arranha-céus, saindo do Alamo dei uma caminhada até o Tower of Americas.

ImageResizer.net - 55fbki3k259roy7
Tower of Americas

Não achei imperdível, mas a minha sugestão caso você queira muito fazer, é deixar para o fim da tarde, já que além de ver o pôr do sol, dá para jantar no restaurante que fica no último andar.

Voltando para a River Walk, comecei a noite no passeio de barco.

ImageResizer.net - q6aj085qh7yxpd9.jpg

O passeio dura mais ou menos uns quarenta minutos e custa U$10. Apesar de acompanhar um guia que faz a narração, achei bem complicado entender o que ele estava falando por causa do barulho nos arredores. De qualquer forma, super recomendo.

E por fim, já morta com farofa, fui para o restaurante do hotel comer maravilhosos nhoques (porque nhoque a gente come em qualquer lugar do mundo) e dormir.

Dia 7 {sábado}: Volta ao Brasil

Dia de correr para o Dunkin Donuts para um rápido café da manhã e preparar a volta ao Brasil. Partindo de San Antonio, tive uma conexão em Atlanta e 9h depois, cá estava em São Paulo!

Importante! 

Clima: Não se engane quando alguém falar que não faz frio no Texas. De dezembro a fevereiro faz frio sim, especialmente em Austin. Em San Antonio a temperatura esteve agradável na maior parte do tempo (entre 15 e 22 graus Celsius). Quanto ao verão, não posso afirmar, mas já ouvi que é um calor insuportavelmente quente. Se puder, assim como em qualquer lugar do mundo, tente viajar em estações amenas (primavera/outono).

Mais um detalhe que me chamou atenção foi a alta de pólen no período que estive por lá, no fim do inverno. Nunca tinha sentido isso, mas é uma alergia eterna. Se você, assim como eu também é cheio dos ites, muito provavelmente não se adaptará muito bem a esse período.

Transporte: Não pesquisei muito sobre transporte público, mas acho que ter um carro alugado é a opção mais viável, principalmente se você quiser viajar entre as cidades. Vale ficar atento que em Austin, o Uber foi suspenso. Então, o jeito vai ser pegar táxi. Em San Antonio, ficando na Downtown dá para fazer tudo a pé.

Comida: Como em todas as grandes capitais, as opções de alimentação são bem democráticas, mas vale ficar atento às opções em cidades menores do Texas que oferecem basicamente comida Tex-Mex, que para muita gente é maravilhosa, mas eu odiei, rs. Em Austin a oferta era ótima, inclusive com opções vegetarianas em quase todos os lugares.

Custo geral: $$(barato)

BUENOS AIRES E O ELTON JOHN QUE NÃO ACONTECEU

Na última sexta-feira, peguei a minha malinha e embarquei para mais uma aventura no país do doce de leite. E olha, dessa vez foi uma aventura mesmo!

buenos collage
Minha Buenos Aires

Eu quase posso dizer que absolutamente tudo deu errado, mas no fim deu certo.

Vocês sabem como funciona né?

Buenos Aires para mim (e para muitos brasileiros) não é mais novidade, afinal, o turismo na capital é intenso. Uma cultura totalmente diferente, muita comida boa e câmbio quase sempre favorável, ajuda bastante nesse intercâmbio. O que acontece é que depois de repetidas idas para a capital porteña, sempre rola aquele desespero do que fazer.

comidinhas buenos
Na dúvida, melhor comer

Desta vez, tive um desafio ainda maior: o que fazer (além de comer) em Buenos na chuva. E quando eu falo chuva, não é garoa. Com planos de ficar uns 4 dias na cidade, posso dizer que 3 deles foram de chuvas intensas.

Uma das razões, inclusive, de fazer essa viagem, era assistir Elton John e James Taylor juntinhos – sim, não consegui vê-los em São Paulo – e por fim, o show foi cancelado por causa da…CHUVA.

chuva buenos
A maior chuva que você respeita

Abaixo, segue uma listinha de passeios clássicos e não tão óbvios para se fazer em BsAs nos dias de chuva.

Para comer

Fiquei hospedada em Palermo – que já é um adianto na hora de pensar em comida. Isso porque a região é super famosa pelos bares e restaurantes. Tem alguns cantinhos que são imperdíveis e sempre dou um pulo quando estou em Palermo. São eles:

Fifi Almacén: Meu cantinho preferido para encontrar comida saudável com MUITA opção vegana/vegetariana. Os sucos são maravilhosos! Desta vez, pedi uma arepa que estava de tirar o fôlego, super quentinha e macia. Só amor!

Full City Cafe: Café colombiano que faz você se sentir em qualquer lugar, menos na Argentina haha. O menu, os garçons e praticamente todos os clientes adotaram o inglês como primeira língua. Os cafés são deliciosos, assim como todos os acompanhamentos.

full city.jpg
Café para todos os gostos no Full City

Ninina Bakery: Uma das padarias mais lindas que já estive nessa vida ♥! A decoração é maravilhosa, e se isso não fosse suficiente, eles tem um dos melhores brunchs que já experimentei nos últimos meses (e olha que vou a brunchs todos os finais de semana!). Ah, uma vantagem indiscutível: eles ficam aberto até 1am! Ótimo para quando você está indo dormir mas lembra que sempre tem espaço para mais uma medialuna.

brunch ninina
O brunch do Ninina

 

Entre a região de Palermo e Villa Crespo fica a Plaza Armenia, região onde se instalam diversos restaurantes armênios na cidade. Buenos Aires é na América Latina a cidade que mais recebeu imigrantes armênios no século passado. Essa pode ser uma ótima oportunidade de passear pela região e comer a comida local.

Para comprar

Paul French Gallery: Uma casa conceito que, assim como uma galeria, está toda disponível à venda. Acho os utensílios para cozinha e decoração em geral, imperdíveis. Tem também uma Paul Gallery em Punta del Este (lá é a Paul Beach House) e eu desaconselho fortemente a visita: os preços são extremamente abusivos (umas 10x o valor das coisas da loja em Buenos Aires) e cobrados em dólar (como em praticamente todas as lojas de Punta).

Tealosophy: Para quem, assim como eu, ama chá, é uma visita mais que necessária. Você encontra todos os blends possíveis com uma explicação tão didática que qualquer leigo consegue aprender um pouco mais desse universo.

Kioskos: A cada esquina da cidade você encontra os famosos kioskos, que nada mais são que conveniências para você comprar um snack. Para quem adora compra alfajor, biscoitos e chocolates locais, é uma alternativa fácil e barata de trazer um docinho de souvenir para todo mundo.

milka
Paradinha no kiosko

Shoppings: Não sou muito fã de shoppings, mas dessa vez precisei dar um pulo em um para comprar umas coisas que tinha esquecido. Fui ao Alto Palermo e além de ser uma ótima opção por concentrar diversas marcas locais, também tem um Cinemark enorme, que é uma ótima opção para matar umas horas chuvosas e de brinde, praticar o español.

Artsy:

O bairro por si só já é pra lá de artístico. Gente tocando nas ruas, feiras e muitas (mas muitas) galerias. Dessa vez, não consegui ir em nenhuma, mas o passeio que sempre recomendo é a ida ao MALBA que por mais clichê que seja, sempre tem alguma coisa acontecendo. Dessa vez, a expo era do projeto canadense General Idea, mas o acervo está sempre à disposição com muita coisa legal de América Latina – Tarsila do Amaral, Frida, Diego Riviera, Oiticica, entre outros. A arquitetura também é linda e sempre me lembra um pouco do MOMA, em NYC.

Onde dormir

Existem diversas opções de onde passar a noite. Nas minhas experiências mais recentes (inclusive nesta última), fiquei na região de Palermo Soho, famosa pelos hotéis boutiques. Me hospedei no Mine e vou contar tudo no próximo post.

Blogs favoritos

Tem alguns blogs que sempre dou uma olhada antes de dar um pulinho ali em Buenos. São eles:

Buenos Aires para Chicas: Projeto da Amanda Mormito, brasileira que morou por uma década em Buenos Aires e conhece bem cada cantinho. O blog foi descontinuado em 2015 quando ela voltou para o Brasil. Atualmente, Amanda mora em Singapura e segue dando dicas de viagens no blog Casa que Viaja.

Aires Buenos: Blog do brasileiro Túlio Pires Bragança, que além de manter o blog super em dia, ainda tem um canal e um tour (que estou louca para fazer mas ainda não consegui)

Aquí me quedo:  Também idealizado pela comunidade brasileira em BsAs, desta vez pela brasileira Gisele Teixeira, jornalista que gerencia esse blog super completo que foi considerado de Interesse Cultural pela Legislatura Portenha em 2015. Sempre atualizado e com dicas bem completas, vale muito a pena para conhecer uma Buenos menos óbvia.

Custo geral: $$(barato)

PUNTA PARA INICIANTES

Já estive em Punta várias vezes, mas resolvi reunir aqui o essencial para você que está de passagem pelo Uruguai e talvez, não tenha muito tempo.

Punta fica na região de Maldonado, no Uruguay, país que fica aqui do ladinho da gente, e que tem pouco mais de 3 milhões de pessoas. SIM. Difícil ser parâmetro para uma nação gigante como o Brasil.

puntalinda

Ao falar do Uruguay, resolvi não começar falando da capital, Montevideo, porque apesar da proximidade com o Brasil, ainda é um lugar que os brasileiros ficam relutantes em conhecer. Já ouvi muito “não tem nada pra fazer no Uruguay”, “Montevideo é para aposentados” e por aí vai. Claro, essas afirmações não são em vão. A população (assim como no resto do mundo) está envelhecendo e os jovens, vendo poucas oportunidades no pequeno país, acabam migrando para os países vizinhos. Em um outro post posso comentar da minha experiência na capital, mas vamos voltar ao foco.

Como muita gente ainda enxerga Punta como capital do entretenimento e luxo na América do Sul, vamos falar um pouco mais dessa cidade, que é muito mais do que mostra o programa do Amaury Jr.

Como chegar

Avião: O modo mais fácil é chegar via avião pelo aeroporto local, que fica na região de Maldonado,  há uns 20km do centro de Punta. Existem voos diários e diretos saindo do Brasil pela LATAM e pela Azul.
Carro: Uma opção mais em conta, é descer em Montevideo e dirigir ou pegar um ônibus até punta. Se você optar por alugar um carro e tiver mais tempo, separe um tempo para algumas paradas estratégicas no caminho como a Piriápolis e Punta Ballena
Barco: Você também pode optar pelo Buquebus. Saindo de Buenos Aires (com “conexão” em Colonia ou Montevideo) dura por volta de 5h, ou de Montevideo direto. É uma viagem supertranquila, você pode levar seu carro, tem lanchonete, bar e free shop.

Spotify: Quer deixar a sua viagem mais animada? Escute a nossa playlist exclusiva!

Clima

Bem típico uruguayo: calor suportável entre dezembro e março (entre 28 e 35 graus Celsius) e frio no resto do ano, atingindo o pico entre junho e julho (que pode chegar bem próximo a zero). E, independentemente da época, venta muito o ano inteiro.

Língua

Espanhol, com algumas variantes do espanhol falado na América Platina (Área que cobre Paraguay, Uruguay e Argentina).

O povo

Super amigável e receptivo, é com certeza um dos pontos altos da viagem. Você tem a sensação de estar numa vila, mesmo estando na capital. Em punta, tem mais um plus: por ser uma cidade que vive essencialmente no verão e de turismo, o atendimento em todos os estabelecimentos é muito bom também.

Transporte

A minha sugestão, caso você queira passar mais do que uma noite, é alugar um carro. Existem poucos táxis na região e o transporte público é bem escasso também. Se você se hospedar no centro, é possível fazer praticamente tudo a pé, mas o entorno da região também é lindo e é um desperdício pular algumas praias mais afastadas.

Onde ficar

Dessa vez, diferentemente das outras, resolvi ficar em hotel. Escolhi o 20 Hotel pela localização e preço. Fica entre as ruas 27 e 20 (daí que vem o nome) e é relativamente novo. No Tripadvisor vi pouquíssimas resenhas e resolvi me arriscar pelo que o próprio site do hotel mostrava. Não me arrependi. Os quartos apesar de pequenos são bem espaçosos e claros e o serviço do hotel é ótimo. O café da manhã é bem simples, típico uruguayo (cheio de medialunas que amo tanto <3) e farto. Ah, um detalhe importante: tem estacionamento gratuito.

hotel 20
20 Hotel – Foto: divulgação

Outra hospedagem em Punta, que já usei diversas vezes, é Airbnb – normalmente sai mais em conta e tem muita opção disponível.

Quer sossego? Corre pra Jose Ignacio! Uma das minhas regiões favoritas no litoral uruguayo, a área é famosa por abrir casas de famosos que querem fugir da agitação de Punta. As opções de hotéis em Jose Ignacio são super limitadas, então se joga no Airbnb!

joseignacio
A 30km de Punta, Jose Ignacio é só amor

Tá rico e quer conforto? Duas opções ótimas: O famoso Conrad, que fica à beira-mar, bem no meio do fervo e o Fasano Las Piedras, que fica mais afastado, para quem quer uma experiência de luxo e natureza, ao mesmo tempo.

conrad
Conrad Hotel & Casino

O que comer 

Da culinária uruguaya, alguns itens não podem ficar de fora. São eles:

Chivito: O prato mais tradicional, na verdade é um sanduíche gigante que tem tudo dentro. O mais próximo que temos disso é o famoso x-tudo brasileiro. Existe em diversas versões (até vegetariana).

chivito uruguayo
Chivito, o X-tudo uruguayo

Medialuna: Croissant com uma caldinha de açucar (NHAMI)
Buñuelos: São bolinhos fritos, bem parecidos com os nossos bolinhos de chuva, mas por lá eles também existem em versões salgadas.
Alfajores e Dulce de leche: Famosos em toda a região platina, parece óbvio, mas não é. Não deixe de provar todas as variações possíveis. Meus favoritos? O Alfajor caseiro de Maicena e Vauquitas, um docinho de doce de leite argentino, mas fácil de ser encontrado no Uruguay.
Heladeria Freddo: Temos aqui no Brasil também, mas se estiver no verão em Punta, não deixe essa chance passar! Em quase todas as esquinas tem um Freddo!

comidaempunta

Curiosidade: Apesar da culinária uruguaya ser bastante popular pela sua carne, o Uruguay, muito diferentemente da Argentina, tem opções vegetarianas de quase todos os pratos em quase todos os lugares mais turísticos.

Os restaurantes

Na lista dos 50 melhores restaurantes da América Latina da revista Restaurant, o Uruguay tem dois no ranking, ambos na região de Maldonado: um em Punta e outro em Jose Ignacio. Em Punta, o La Bourgogne ocupa a posição 46 da lista com culinária tipicamente francesa e em Jose Ignacio, o classificado em 23, é o Parador La Huella. Nesta minha última visita, tive a chance de dar um pulo em Jose Ignacio para um late lunch e foi uma experiência bem inesquecível.  

parador casa pueblo
Restaurante pé na areia em Punta del Este

As opções? Além de carne, obviamente, vegetais e gaspacho de entrada e drinks!

Outra opção também fora da cidade, é a paradinha estratégica na Casapueblo, que fica em Punta Ballenas. O hotel-museu tem um restaurante delicioso que vale um almoço, o Las Terrazas.

casapueblo
Casapueblo

No meu caso, foi mais uma pitstop para um lanchinho no caminho para Punta.

lanchinho casapueblo
Lanchinho à beira-mar

Quanto custa

Para os padrões sul-americanos, Punta está um pouco acima da média nos quesitos hospedagem, alimentação, etc. Ainda assim, por estar muito próxima ao Brasil e ter voos relativamente baratos, não é uma viagem impossível de fazer. Sempre há opções mais em conta, principalmente com relação à hospedagem. Uma dica, se você gosta mais de sossego é se hospedar em Jose Ignacio (que também é mais barata) ou ainda em Montevideo (e fazer um bate-volta até o litoral).

Custo:  $$$(moderado)

OS DIAS EM EXUMA

Leia também: Um sonho chamado Bahamas 

Leia também: My Atlantis Experience

Poucas sensações são mais gostosas do que a nostalgia de olhar fotos antigas de viagens. Quando pensei em finalizar a trilogia sobre as Bahamas e peguei as fotos de Exuma, só quis ser teletransportada pra lá novamente. Nenhuma das fotos que eu colocar aqui vai traduzir a realidade e já adianto: essa foi a minha parte preferida da viagem.

Exumas está dividido em Great Exuma, Little Exuma e The Exuma Cays, sendo a esta a minha escolhida.

Como tiver pouco tempo pra explorar a região, acabei pegando um roteiro clichê, passando pelas principais ilhotas da região.

sandbank
Crystal Clear water
Como chegar
O jeito mais simples de chegar por lá é via EUA, assim como em qualquer lugar das Bahamas. Exuma tem um aeroporto internacional, mas como eu já estava nas Bahamas e queria um roteiro mais intimista, pousei no “aeroporto” local, em Staniel Cay.
E a chegada foi, com certeza, a parte mais complicada da viagem. Como fechei todo o roteiro com uma agência, em nenhum momento imaginei que chegaria na ilha num microavião – das curiosidades que pouca gente sabe: tenho PAVOR de avião. Quando chegou na hora do embarque e vi aquela micro-máquina voadora, pensei fortemente em desistir. Mas me apeguei na vontade de conhecer umas praias isoladas, e fui.
Fiz o voo com a Flamingo Air, saindo do aeroporto internacional de Nassau, mas sei que também possível voar com a WatermakersAir.
Apesar do medo inicial, eu sugiro pra todo mundo que tem a oportunidade de ir para as Bahamas de fazer um voo local. O avião não voa muito alto e você consegue ver todas as ilhotas no caminho e seus ina-cre-di-tá-veis bancos de areia – uma praia no meio do oceano!
view from the plane
Vista bem mais ou menos
pilots
Fui assim, do ladinho do piloto, rs
Curiosidade: o nome Bahamas vem do espanhol, Baja Mar, exatamente por ser uma arquipélago cheio de bancos de areia. 
O povo
Como falei no post inicial das Bahamas, todo mundo é muito receptivo, afinal, é um país que vive de turismo. De qualquer forma, devo fazer uma observação, em especial para Exuma Cays: as ilhas são praticamente todas vazias. Soube que vive, em TODA a região, apenas 118 pessoas.
Transporte
Basicamente, áquatico. Há diversas empresas que fazem os passeios ou você pode alugar seu próprio barco
estacionamento.jpg
Nosso “estacionamento”
Onde ficar
A região de Staniel Cay é famosa pelas mansões hollywoodianas. Vários atores construíram seus paraísos paralelos na região e David Copperfield, foi até mais longe: construiu uma ilha mesmo, só pra ele, rs.
Toda essa privacidade, obviamente encarece bastante a estadia. Para se sentir em casa, você pode alugar um cantinho para chamar de seu! A Staniel Rents tem várias opções, para todos os gostos (e bolsos).
                                                                                     *
O que fazer
Além de simplesmente existir e agradecer por estar ali, cercado de uma das águas mais cristalinas do mundo, tem alguns passeios imperdíveis para quem está na região:
Big Mayor Cay: Pig Beach
Você já deve ter visto em algum Instagram da vida uma foto de porquinhos nadadores em águas crystal clear (como eles se referêm às águas cristalinas). Até então, eu achava que era mentira, mas os tais porquinhos nadadores, existem mesmo. Ninguém sabe ao certo como eles foram parar ali, e tem várias histórias, que vêm desde a época da colonia (Bahamas foi colônia inglesa e se tornou independente em 1973, apesar de ser uma monarquia constitucionalista, isto é, governada pela rainha da Inglaterra). A única certeza que se tem, é que os tais porquinhos não só se adaptaram muito bem (aprenderam a nadar, vivem bem embaixo do solzão e esperam famitos qualquer barquinho que se aproxime – eles ficaram condicionados a pegar comida dos turistas).
pigs
Allan Cay: Iguana Beach
Menos interessante que a atração anterior, aqui você pode alimentar e ver Iguanas passando de um lado pro outro, como se não houvesse amanhã, numa ilha completamente inabitada. Sei que existem praias com iguanas em outros lugares do mundo, então esse passeio acaba sendo um pouco menos “exclusivo”.
iguanas
Compass Cay: Pet Sharks
Por algum motivo – que ainda não entendi muito bem – começaram a tratar tubarões como animais de estimação nessa área e eles ficaram por ali, todos inofensivos e carinhosos (até que se prove o contrário), esperando alguém jogar uma lata de atum. Você pode ficar no deck os alimentando (sim, eles vêm até você!) ou se quiser dar uma amenizada no calorão, é só pular na água e nadar com eles.
petsharks
Eles praticamente saem da água pra pegar comida
me feeding sharks
Enfim, vamos lá né? Aula de como alimentar um tubarão
                                                                                       *
Onde comer
Não posso dar muitas sugestões porque acabei fazendo todas as refeições no iate que alugamos ou, em terra, no Yatch Club. Acredito que as opções pelas ilhas que passei, diferentemente do que acontece em Georgetown, são bem restritas.
breakfast
café da manhã with a view
Quanto custa
Como a região de Exumas Cays é famosa pela exclusividade, pouquíssimos hotéis e casas de luxo à beira-mar, voos pequenos que só operam localmente e necessidade de um barco privativo para ir de um canto a outro, com certeza é um dos passeios mais caros que você pode fazer nas Bahamas.
Uma opção mais em conta, se você tiver mais tempo, é ir pelo Aeroporto Internacional em Georgetown e se hospedar em Great Exumas – ainda assim, um barco será essencial se você quiser partir para uma daytrip em Exuma Cays.
Custo geral $$$$$(muito caro)

 

UM SONHO CHAMADO BAHAMAS

Sol o ano inteiro, areias branquinhas e a água mais azul que já vi: as Bahamas são mesmo um sonho!

Passar uns dias numa ilha perdida, sempre foi um sonho tão distante, não é mesmo? NÃO, obviamente não. No fim do ano tive a oportunidade de passar o réveillon em uma ilha (ou seriam ilhas?!): nas Bahamas. A viagem durou cerca de 9 dias e passou por Nassau, Paradise Island e Exuma.

mapa-bahamas

Como chegar 

As Bahamas estão ali do ladinho dos EUA, mais precisamente de Miami, de onde sai a maioria dos vôos. Trata-se de um conjunto de mais de 3000 ilhas, sendo que o destino principal, o aeroporto internacional (NAS), fica em Nassau. Outro jeito de chegar por é através dos diversos cruzeiros que passam por ali. 

A economia do país gira em torno do turismo, ou seja, infra-estrutura para americano ver. Inclusive, são os norte-americanos a maior parte dos turistas da região – o que se explica pela proximidade e pelo clima, que é bem agradável na maior parte do ano.

Importante: Brasileiros não precisam de visto, mas precisam de vacina de febre amarela. Não esqueça de tomar a vacina com pelo menos 10 dias de antecedência e registrá-la no Certificado Internacional de Vacinação.

Clima

Coisa linda de viver esse clima das Bahamas, viu? Cerca de 310 dias do ano, faz sol, e mesmo no inverno, a temperatura é ótima e não varia muito.

Viajei em janeiro, inverno no hemisfério norte, e a temperatura oscilava entre 28 e 24 graus Celsius. Durante a noite, a sensação térmica cai um pouco e às vezes precisava de um casaquinho, mas nada desconfortável. Durante o dia, até quando a previsão do tempo avisava que estaria nublado, às 10 da manhã já estava sol.

Língua 

Inglês – com o sotaque britânico, rs

Moeda 

A moeda local, o dólar bahamense, tem o mesmo câmbio que o dólar americano. Alias, em nenhum momento vi uma nota da moeda local. O dólar americano é bem aceito em todos os estabelecimentos (menos no hotel que fiquei, que só trabalhava com cartões de crédito para todas as transações).

Leia também: My Atlantis Experience

O povo

Ô povo que gosta de puxar uma conversa, viu? Se prepare porque o pessoal gosta de falar, rs! Brincadeiras à parte, o povo é super acolhedor e todos os motoristas deram dicas sinceras e úteis (o motorista do táxi que peguei no aeroporto, parecia mais um guia, apontando todas as atrações do caminho haha).

Transporte

Você está em uma ilha, logo…o principal meio de transporte são os barcos, rs. Mas não desanime, tem de todo tipo… Navios, escunas, lanchas particulares e até barco-táxi – que você pode utilizar pra cruzar a travessia entre Nassau e Paradise Island, por $7. Na capital, a oferta de táxis é grande e para ilhas mais afastadas, a melhor opção são os aviões locais.

Leia também: Os dias em Exuma 

Em Nassau, o trânsito pode ficar caótico nas altas temporadas. Se puder, fuja! Conheça a downtown a pé.

barco marina

Um dos diversos barcos na Marina em Paradise Island 

Onde ficar 

Meu hub nas Bahamas foi o Atlantis Resort, provavelmente a estadia mais conhecida no país. O Atlantis, mais do que um resort, é um parque aquático e conta com diversas atrações, que incluem, 23 restaurantes, piscinas, praias privativas, aquário, interação com diversos animais (arraias, golfinhos, tubarão), shopping, casino, etc.

por do sol varanda 2

Pôr do sol da varanda do meu quarto

Em geral, os hotéis não são muito econômicos. Em Paradise Island, por exemplo, praticamente a única hospedagem existente é o Atlantis. Um dos motoristas me contou durante uma das corridas, que o grande parte da receita do país vem do Atlantis, o que faz que eles tenham alguns acordos diretos com o governo (não sei se isso é verdade ou caô, mas se você souber, comenta aí e me conta)!

Esse ano, parece que sai do papel uma super obra, embargada a anos (disse o taxista, que devido esse protecionismo do Governo com o Atlantis), o complexo Baja Mar. Essa obra, feita pelo Hyatt já está dando o que falar e promete chacoalhar Nassau. Veremos.

Para hospedagens econômicas, eu sugiro um AirBnb ou algum B&B, especialmente em Nassau. Nas ilhas mais afastadas, acho que será BEM difícil conseguir algo em conta. Não encontrei hostel em nenhuma das ilhas.

O que fazer

Como mencionei acima, ficando no Atlantis você já terá bastante diversão sem precisar sair do hotel. Mas é claro, que o país oferece muitas outras atividades, como compras (Nassau é considerada uma zona livre, o que o torna um grande Free Shop, com diversas opções de compra, especialmente esmeraldas e bebidas), museus, arquitetura típica na downtown, diversos restaurantes e obviamente, todos os esportes aquáticos possíveis.

Sede do Governo e Museu Piratas de Nassau 

Para os passeios, existem diversas agências. Eu acabei fechando com a agência que ficava dentro do Atlantis, pois acho difícil se planejar para fazer tudo sozinha.

O que comer 

A região é rica em frutos do mar e traz como carro-chefe o conch, um molusco servido normalmente como entrada ou aperitivo. Outro clássico das noites bahamenses, são os drinks, em especial o Bahama Mama, uma mistura de rum, grenadina, suco de laranja e abacaxi.

Quanto custa

Essa não é das brincadeiras mais baratas. Ainda que seja possível encontrar um voo saindo do Brasil por um preço “pagável”, acho  bem complicado conseguir estadia barata e, principalmente, conseguir economizar nos passeios/comida.

Custo geral: $$$$(caro)